Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Timbre brasileiro - Independência ou Morrer

Publicado: Quinta, 14 de Junho de 2018, 15h08 | Última atualização em Segunda, 25 de Junho de 2018, 12h40

"Timbre Brasileiro - Independência ou Morrer". Hino à independência que relata a luta dos "brasileiros"  com armas contra Portugal. São mencionados na letra os filhos e as mulheres dos lutadores e a glória da vitória: "Fomos Lusos, e quisemos/ De Lísia a glória suster/ Não quis Lísia, agora sofra/ Independência ou Morrer".

Conjunto documental: Independência do Brasil: Hinos
Notação: 740.5
Data-limite: 1822-1830
Título do fundo ou coleção: SDH - Diversos - "Caixas Topográficas"
Código do fundo: 2H
Argumento de pesquisa: independência do Brasil
Data do documento: 1822
Local: Rio de Janeiro
Folha(s): doc. nº 3

TIMBRE BRASILEIRO1
INDEPENDÊNCIA OU MORRER

                        1
Às Armas corramos todos
D'Europa contra o Poder2;
Seja o Timbre Brasileiro
Independência, ou morrer3.

                        2
Morram todos os Tiranos
Q'ofendem nosso Bem Ser;
Brasileiros4 somos livres,
Independência, ou morrer.

                        3
Basta, tanto sofrimento....
Porque havemos mais sofrer?
Só se humilha quem não pode
Independência, ou morrer.

                        4
Pela Pátria5 guerreando
Honra, e glória vamos ter,
Às Armas pois, não temamos,
Independência, ou morrer.

                        5
Nossos filhos, nossos Lares
Vamos, vamos defender;
Mas antes juremos todos
Independência, ou morrer.

                        6
Vinde, oh Lusos Brasileiros6,
À nossa Causa7 aceder
Corram todos igual Sorte:
Independência, ou morrer.

                        7
Vossos filhos e mulheres
Do Brasil vos fazem ser:
Igual Timbre vos distinga;
Independência, ou morrer.

                        8
Fomos Lusos, e quisemos
De Lísia a glória suster
Não quis Lísia, agora sofra
Independência, ou morrer.

 

1 Hino de exaltação a Independência do Brasil. Durante o processo de Independência, adeptos da causa brasileira compuseram e apresentaram hinos de exaltação da Independência, este tendo sido um deles. O hino, bem como a bandeira, são símbolos que representam o país, e logo depois da emancipação, se fazia necessário escolher e apresentar o hino aos ‘brasileiros', já com o intuito de fortalecer o pertencimento a uma pátria. Alguns hinos, como o Independência ou Morrer, foram propostos nos anos seguintes à 1822 até que se escolheu o hino definitivo, o mesmo atual hino da Independência.
2 Essa frase, logo no início do hino, justificava o motivo das lutas pela independência. No ambiente de difusão das idéias iluministas, do liberalismo econômico e de tantas revoluções, incluindo os conflitos coloniais em busca de emancipação, era necessário e justo que os povos empunhassem suas armas e lutassem contra o poder das monarquias absolutistas, que não tinham mais lugar no novo tempo. A continuidade de governos tirânicos e despóticos impediam o caminho para a modernização.
3 A convocação dos brasileiros a lutar pela emancipação do país nos remete a frase proclamada por d. Pedro as margens do rio Ipiranga, Independência ou Morte. Alguns historiadores chamam atenção para o fato do sete de setembro de 1822 não ter sido um acontecimento de grande repercussão na época, uma vez que a independência praticamente já estava dada com a convocação da Assembléia, no decreto de 1º de agosto. No entanto, ao longo do império a narrativa da proclamação ganhou uma áurea poética que mostrava o imperador como o libertador do país da opressão e submissão que sofria pelo colonizador europeu. O forte, bravo e corajoso imperador, com a espada em punho, declarava a Independência do Brasil ou a morte.
4 Até as vésperas da Independência o uso do termo ‘brasileiro' ainda não era muito claro. Em oposição ao ‘brasiliense', que denominava o natural da terra, nascido no Brasil, o ‘brasileiro' costumava se referir àqueles que aqui se estabeleciam, para negócios e para viver. Esses termos diluíam-se na grande categoria de súdito ou vassalo do Império português, do Reino de Portugal e do Reino do Brasil. Talvez por conta desta definição mais "funcional", como argumentou Hipólito da Costa, o termo ‘brasileiro' tenha sido preferido durante o período de fermentação da Independência do Brasil, quando mais do que o local de nascimento, importava a adesão a um projeto, a causa do Brasil ou de Portugal. Deste modo, "brasileiro" foi empregado para denominar adeptos da causa da Emancipação, e prevaleceu ao longo do Primeiro Reinado para diferenciar de "portugueses", não exatamente de nascimento, mas partidários da volta dos vínculos com o Império Português. Ambos conceitos, portugueses e brasileiros, embora ainda não totalmente definidos, serviram para adjetivar os nascentes partidos, identificados com os grupos políticos envolvidos nas lutas pela independência. Depois da abdicação de d. Pedro I o termo vai ganhando novo sentido, buscando incorporar outros elementos, culturais  e simbólicos, que identificassem o "brasileiro" não somente como aquele que aderiu a causa do Brasil, mas o nascido no novo Império que se construía. Esse projeto de construção da identidade aparece com força, não por acaso, durante o período regencial, quando as identidades locais e regionais se sobrepunham a um sentimento nacional e ameaçavam a integridade do território do Estado.
5 O conceito de pátria empregado neste momento na história do Brasil se refere ao local de habitação e onde as pessoas possuíam negócios. Não havia ainda a idéia de nacionalidade e da pátria significando o local de nascimento que unifica e dá uma identidade ao povo de um país.
6 Convocação de todos os portugueses que se estabeleceram no Brasil ou que tinham aqui seus interesses a defender a causa da independência. O hino tentava mostrar que os portugueses não estavam fora do projeto de construção de uma nova nação. Havia um reconhecimento das raízes portuguesas na criação do país, já que o próprio imperador era português. Portanto, o projeto para o recém-criado império ia além das barreiras geográficas, pretendia formar uma nação da união dos dois reinos, uma nação luso-brasileira.
7 Reforça a idéia dos luso-brasileiros a aderir a justa causa da independência, a causa dos brasileiros.

Sugestões para uso em sala de aula:

Utilizações possíveis
- Nos eixos temáticos: "História das representações e das relações de poder".
- Ao abordar o sub-tema: "Nações, povos, lutas, guerras, revoluções".

Ao tratar dos seguintes conteúdos
- Independência política;
- Lutas pela independência política;
- Processo político de independência do Brasil;
- Mitos dos heróis nacionais.

Fim do conteúdo da página