Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Brasil > Sociedade do Açúcar
Início do conteúdo da página
Brasil

Sociedade do Açúcar

Publicado: Terça, 06 de Fevereiro de 2018, 18h59 | Última atualização em Terça, 06 de Fevereiro de 2018, 18h59

  • A Sociedade do Açúcar

    Renata William Santos do Vale
    Mestre em História Social da Cultura - PUC-Rio
    Pesquisadora do Arquivo Nacional

    Meu avô me levava sempre em suas visitas de corregedor às terras de seu engenho. Ia ver de perto os seus moradores, dar uma visita de senhor nos seus campos. O velho José Paulino gostava de percorrer a sua propriedade, de andá-la canto por canto, entrar pelas suas matas, olhar as suas nascentes, saber das precisões de seu povo, dar os seus gritos de chefe, ouvir queixas e implantar a ordem. Andávamos muito nessas suas visitas de patriarca.
    `...]
    As terras do Santa Rosa andavam léguas e léguas de norte a sul. O velho José Paulino tinha esse gosto: o de perder a vista nos seus domínios. Gostava de descansar os olhos em horizontes que fossem seus. Tudo o que tinha era para comprar terras e mais terras. Herdara o Santa Rosa pequeno, e fizera dele um reino, rompendo os seus limites pela compra de propriedades anexas. Acompanhava o Paraíba com as várzeas extensas e entrava de caatinga adentro. Ia encontrar as divisas de Pernambuco nos tabuleiros de Pedra de Fogo. Tinha mais de três léguas, de estrema a estrema. E não contente de seu engenho possuía mais oito, comprados com os lucros da cana e do algodão. Os grandes dias de sua vida, lhe davam as escrituras de compra, os bilhetes de sisa que pagava, os bens de raiz, que lhe caíam nas mãos. Tinha para mais de quatro mil almas debaixo de sua proteção. Senhor feudal ele foi, mas os seus parias não traziam a servidão como um ultraje. (José Lins do Rego, Menino de engenho, p. 65-66 e 103-104)[1]

    Começo pedindo licença aos leitores para iniciar este comentário com uma citação um tanto longa, mas que oferece a oportunidade de refletirmos sobre a sociedade açucareira colonial, e sobre o papel desse doce produto para a história mais antiga do Brasil. José Lins do Rego (1901-1957), em seu romance de caráter autobiográfico, Menino de engenho (1932), narrava as peripécias de um menino criado num engenho do Nordeste brasileiro no início do século XX. Impressiona, no vocabulário de sua descrição da fazenda e do avô, o predomínio de certo ‘tom colonial', no qual o "velho" José Paulino era uma personificação do antigo senhor de engenho (atualizado na figura de um coronel), dono de "domínios" que se estendiam por "léguas e léguas", e "tinha para mais de quatro mil almas debaixo de sua proteção". Essas descrições, do engenho, seus personagens e da vida cotidiana dão o tom e tecem a trama do romance, remetendo a um passado colonial ainda muito presente na virada do oitocentos para o novecentos, principalmente no interior e no Nordeste, no qual o açúcar ainda dá vida a uma parcela da sociedade que depende dele.

    As atividades ligadas ao açúcar praticamente definiram a economia colonial e nortearam os estudos sobre a história desse período. A vida cotidiana girava em torno dos engenhos e do modo de viver que emanavam, e os vínculos sociais foram se definindo nesses espaços, nos quais público e privado se misturavam, e que agregavam colonizadores, colonos e colonizados em torno das relações de trabalho.

    Os escritos historiográficos do século XIX, elaborados por cronistas, letrados e historiadores, por fim, e os escritos dos viajantes e exploradores, desde o XVIII, apontam para a formação de uma sociedade do açúcar nos primeiros séculos do período colonial, ou da história mais antiga do Brasil.[2] Apesar de os historiadores apresentarem uma narrativa linear do tempo e uma periodização que privilegia os acontecimentos políticos, na história da colônia imperavam os engenhos como estruturas econômicas, e os senhores, regendo a vida nas vilas e cidades que surgem em torno das unidades açucareiras.[3] É o açúcar que dá o primeiro grande impulso para a ocupação efetiva e colonização do Brasil, sendo o principal produto no comércio com a metrópole durante mais de um século, não perdendo, entretanto, sua importância no cenário econômico mesmo em épocas de prosperidade de outras culturas e atividades, como o período aurífero e do café, por exemplo.

    É durante a primeira metade do século XX que os estudos sobre a colônia ganham fôlego e novos olhares. É a partir de trabalhos de historiadores como Capistrano de Abreu[4] e Caio Prado Júnior que a história colonial começa a ser escrita em outro estilo de narrativa, menos linear e política, e mais temática e com ênfase na esfera socioeconômica.

    Essa historiografia, representada aqui pelos trabalhos de Caio Prado, aplicou o conceito dos ciclos econômicos ao período colonial, no qual estes se sucederiam e imprimiriam o sentido da colonização e das relações comerciais entre colônia e metrópole. Prado ainda sistematizou os estudos sobre o sistema de agricultura colonial definido como plantation, ancorado nos grandes latifúndios monocultores explorados por mão de obra escrava, principalmente de origem africana, descrevendo um ‘modo de produção colonial'.[5] Em contraponto, por volta de meados do novecentos, novos olhares sobre a sociedade açucareira colonial permitiram interpretações mais diversas, de cunho cultural e sociológico, que ficaram célebres entre os estudos brasileiros, como as encontradas na vasta obra de Gilberto Freyre. Esse autor se ocupou em descrever e analisar a vida dos habitantes do engenho, senhores e escravos, suas relações de poder e negociação, e com o meio, produzindo uma interpretação do cotidiano e da cultura surgida naqueles espaços. Essa corrente de pensamento acabou influenciando como muitos brasileiros passaram a se ver, interpretar sua cultura e expressá-la, de certa forma refletida no Menino de engenho, de José Lins do Rego, livro dedicado, entre outros, ao próprio Gilberto Freyre.[6]

    Mais recentemente, dois historiadores que deram significativas contribuições para uma história do açúcar no Brasil foram Evaldo Cabral de Mello e Stuart Schwartz, tratando respectivamente de Pernambuco e Bahia. No primeiro caso, Mello analisa a época da dominação holandesa no Nordeste e avalia o impacto da invasão e dos tempos de guerra sobre a "açucarocracia" de Pernambuco.
    As guerras holandesas foram inegavelmente guerras do açúcar, não apenas no sentido, que é o geralmente posto em relevo, de guerras pelo açúcar, isto é, pelo controle das suas fontes brasileiras de produção, mas também no sentido `...] de guerras sustentadas pelo açúcar, ou antes, pelo sistema socioeconômico que se desenvolveu no Nordeste com o fim de produzi-lo e exportá-lo para o mercado europeu.[7]

    O trabalho pioneiro de Schwartz[8] dá, ao mesmo tempo, um panorama bastante completo do engenho como estrutura produtiva e das diversas etapas que envolviam a fabricação do açúcar, desde o plantio da cana até o comércio, e uma análise do dia a dia e da dinâmica interna das propriedades açucareiras, na perspectiva dos senhores, mas também dos trabalhadores livres e escravos, tratando de temas como escravidão e família. E para além, identifica as raízes das relações de dominação, dependência e violência na sociedade brasileira desde os primórdios da ocupação do território, entre senhores, escravos e homens livres pobres. Schwartz recupera um longo debate na historiografia brasileira, entre marxistas e culturalistas, acerca da natureza das relações econômicas no mundo dos engenhos, se mais marcada por uma orientação capitalista ou mais arcaica, remetendo às estruturas feudais. Embora não rompa abertamente com os grandes modelos explicativos na sua definição da sociedade do açúcar, avança ao evidenciar que as relações entre os diversos mundos - do governo, do trabalho e da desordem - no interior das terras dos engenhos eram muito mais complexas do que o conceito de modo de produção podia dar conta de explicar. E por meio de extensa pesquisa e debate com a historiografia brasileira e estrangeira sobre o açúcar, Schwartz reforça a ideia de que a ordem senhorial vigente ao longo do oitocentos tem sua gestação nessa sociedade que se cria e toma forma em torno das grandes fazendas de cana-de-açúcar e dos engenhos. É no seio da sociedade do açúcar que as hierarquias se definem, que as dependências se afirmam, que o poder dos senhores se consolida, sobre escravos, agregados e sobre a família. E é a partir também desta esfera de poder que os lavradores alçam voos mais altos e começam a integrar os quadros da administração e política coloniais, advogando em causa própria, reforçando e perpetuando o poder e a influência das famílias mais tradicionais da terra.

    Em torno desses senhores de engenho, mais tarde senhores de terras e escravos, gravitam a família, os trabalhadores livres pobres assalariados, os pequenos produtores, os agregados, os escravos e até mesmo os párocos, enfim o mundo da casa, do trabalho e também da desordem.[9] É o embrião da classe senhorial que consolidará o Estado e o Império brasileiros em meados do século XIX, processo estudado por Ilmar Mattos no Tempo saquarema.[10] E como Schwartz bem define: "O engenho era um espelho e uma metáfora da sociedade brasileira".

    O açúcar no acervo do Arquivo Nacional
    O acervo do Arquivo Nacional referente ao período colonial apresenta algumas peculiaridades em relação ao que normalmente se espera encontrar na documentação sobre este assunto. Uma primeira característica é a variedade de capitanias envolvidas na produção ou comércio do açúcar, a mais significativa delas o Rio de Janeiro, o que não é inesperado, dado o fato de ter sido capital do Estado do Brasil, corte e sede do Império português depois de 1808, e concentrar boa parte dos órgãos ligados à burocracia que envolvia o comércio do açúcar. Talvez o que chame também a atenção seja a não predominância de Pernambuco na documentação, apesar de essa ser uma região consagrada como açucareira e amplamente retratada na iconografia da época, como as imagens que compõem este tema atestam. Ao mesmo tempo há uma expressiva presença de referências à capitania da Bahia, na produção e no comércio.

    Outra particularidade que enriquece as fontes sobre açúcar no Arquivo Nacional é a variedade de fundos nos quais encontramos esse assunto, e a natureza dos documentos, muitos oriundos de inventários post-mortem, como o de Antônio Ribeiro de Avelar,[11] eminente proprietário de terras e escravos da região do vale do Paraíba fluminense, dono de grandes fazendas e engenhos na região, entre eles o engenho do Pau Grande, descrito no arrolamento de propriedades que consta da seção Sala de Aula. O inventário de Avelar nos permite conhecer as diversas casas e instrumentos utilizados no complexo processo de produção, e entrever, em parte, como se fazia açúcar no Brasil colonial. E também nos dá ocasião para compreender o engenho como uma unidade social em torno da qual gravitavam escravos, homens livres e pobres, pequenos proprietários e os mais diversos tipos de agregados, que ajudaram a alçar o senhor do engenho a um status de poder, ditando um modo de vida, influindo na política local e na economia da colônia. Com a morte de Ribeiro de Avelar, a propriedade que ocupava uma vasta extensão da capitania do Rio de Janeiro foi desmembrada em fazendas, ainda assim muito grandes, que de engenhos tornaram-se as primeiras lavouras de café do Brasil já independente.

    Outro exemplo, a carta do conde de Resende, vice-rei do Brasil, ao conde de Linhares, d. Rodrigo de Sousa Coutinho,[12] também em Sala de Aula, aponta para as dificuldades na modernização da agricultura e da produção do açúcar em 1798, mesmo em atividades simples, como o uso do arado puxado por bois e a queima das canas moídas nas fornalhas dos engenhos, usadas na fase de cozimento do melado. O processo de produção do açúcar no Brasil variou pouco entre o século XVI e o XVIII, avançando, ainda timidamente, ao longo do XIX. A imensa maioria dos engenhos usava moendas movidas a tração animal ou água, e a adoção da máquina a vapor, ainda que em pequena escala, iniciou-se mais em torno da década de 1850. Um exemplo da introdução da máquina a vapor nos engenhos brasileiros é a carta do conde dos Arcos, d. Marcos de Noronha e Brito, governador da Bahia, ao ministro dos Negócios do Reino, d. Fernando José de Portugal e Castro, marquês de Aguiar,[13] narrando a compra de um exemplar por um dono de engenho da Bahia, que além de importar a máquina da Inglaterra, ainda a mandara vir acompanhada de um maquinista que pudesse operá-la. O próprio governador foi conferir o funcionamento daquela "útil descoberta", e recomenda ao rei que apoie e incentive a introdução da máquina nos engenhos brasileiros, o que representaria um aumento considerável na produção do açúcar, e consequentemente nas receitas para a Real Fazenda.

    Finalmente, podemos verificar que a documentação sobre o açúcar no Arquivo Nacional possibilita ao pesquisador interessado neste tema diferentes temáticas e vertentes de análise, desde o cultivo da cana até o comércio do açúcar, e também enseja entrever os elementos que constituíam a vida nos engenhos, dos senhores e daqueles que viviam em torno deles, que formavam uma verdadeira sociedade do açúcar.

    [1] REGO, José Lins do. Menino de engenho. 98. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.
    [2] Entre os viajantes que deixaram preciosos registros da vida nos engenhos e nos sertões brasileiros, podemos destacar: Antonil, com seu Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas... (1711) e Auguste de Saint-Hilaire e suas várias viagens às províncias do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo e Goiás, em particular a Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais (1830).
    [3] Dois dos mais importantes autores que se dedicaram a escrever a história do Brasil no oitocentos, e que tratam da sociedade açucareira: José Inácio de Abreu e Lima, Compêndio da história do Brasil (1843, 2 v.); e Francisco Adolfo de Varnhagen, História geral do Brasil (1854, 3 v.).
    [4] ABREU, Capistrano de. Capítulos de história colonial. 7. ed. Belo Horizonte; São Paulo: Itatiaia; Publifolha, 2000.
    [5] PRADO JR, Caio. História econômica do Brasil. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1949; e Formação do Brasil contemporâneo. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1957.
    [6] Na vasta obra de Gilberto Freyre, destacamos Casa Grande & Senzala (51. ed. São Paulo: Global, 2003) e Sobrados e mocambos (15. ed. São Paulo: Global, 2004).
    [7] MELLO, Evaldo Cabral de. Olinda restaurada: guerra e açúcar no Nordeste, 1630-1654. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2007, p. 12.
    [8] SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Cia das Letras, 1995.
    [9] FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. 4. ed. São Paulo: Unesp, 1997.
    [10] MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema: a formação do Estado imperial. Rio de Janeiro: Access, 1994.
    [11] ARQUIVO NACIONAL. Inventário de Antônio Ribeiro de Avelar. Inventários, caixa 1.135, pct. 9606. Pati do Alferes, 1796.
    [12] ARQUIVO NACIONAL. Carta do conde de Resende, d. José Luís de Castro, para d. Rodrigo de Sousa Coutinho. Secretaria de Estado do Brasil, códice 69, v. 8. Lisboa, 12 de novembro de 1798.
    [13] ARQUIVO NACIONAL. Carta do conde dos Arcos, governador da Bahia, para o marquês de Aguiar, ministro dos Negócios do Reino. Série Interior, IJJ9 324, doc. 36. Bahia, 2 de abril de 1815.

  • Pedido de concessão de sesmaria feito ao governador Luís César de Meneses por Francisco Costa Moura, possuidor de um engenho em Iriri, que compreendia todas as terras que seguissem até "o cume da serra mais alta da cordilheira dos Órgãos" e mais aquelas que se encontravam entre os rios Magé e Suruí.

    Conjunto documental: Governadores do Rio de Janeiro
    Notação: códice 77, vol. 02
    Datas-limite: 1689-1693
    Título do fundo: Secretaria de Estado do Brasil
    Código do fundo: 86
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: pedido de concessão de sesmaria feito ao governador Luís César de Meneses por Francisco Costa Moura, possuidor de um engenho em Iriri, que compreendia todas as terras que seguissem até "o cume da serra mais alta da cordilheira dos Órgãos" e mais aquelas que se encontravam entre os rios Magé e Suruí. O suplicante argumentava que temia a possibilidade de contestação da posse das terras que não tinham a documentação formalizada.
    Data do documento: 27 de fevereiro de 1693
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Governadores do Rio de Janeiro
    Notação: códice 77, vol. 02
    Datas-limite:1689-1693
    Título do fundo: Secretaria de Estado do Brasil
    Código do fundo: 86
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: alvará de sesmaria assinado por Luis Cezar de Menezes, no qual dava a posse das terras que iam "desde onde começa a terra da cachoeira até Maxambomba com toda a mais terra e sobejos que houver" ao sargento-mor Martim Correa Vaz que tinha como objetivo, aumentar seus canaviais e "dar maior lucro aos dízimos de sua majestade".
    Data do documento: 15 de março de 1692
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Governadores do Rio de Janeiro
    Notação: códice 77, vol. 02
    Datas-limite: 1689-1693
    Título do fundo: Secretaria de Estado do Brasil
    Código do fundo: 86
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: alvará de sesmaria expedido pelo governado Luís César de Meneses no qual constava que as terras situadas "das cabeceiras da data dos Marizes" até "as terras que possuem os religiosos de São Bento" eram concedidas a Antônio Dutra. O suplicante requeria as terras por estarem devolutas e ter a intenção de lavrá-las e nelas cultivar as "plantas de açúcar".
    Data do documento: 14 de maio de 1692
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Junta do Comércio. Mesa do Despacho Marítimo. Mesa de Inspeção (Bahia e Pernambuco)
    Notação: caixa 179, pct. 02
    Datas-limite: 1810-1822
    Título do fundo: Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação
    Código do Fundo: 7X
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: edital da Mesa de Inspeção do Comércio, Agricultura e Fábricas da capitania de Pernambuco que determina aos senhores de engenho que matriculem as terras de seus engenhos para que as caixas de açúcar procedentes dos mesmos recebam uma marca a ferro que identifique a sua procedência, evitando que traficantes misturem os açúcares de diversas qualidades.
    Data do documento: 1º de dezembro de 1818
    Local: Pernambuco
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Livro de lançamentos de décimas e quintas dos bens das corporações religiosas e donatários da Coroa, de São Salvador de Campos dos Goitacazes
    Notação: códice 246
    Datas-limite: 1799-1800
    Título do fundo: Secretaria de Estado do Brasil
    Código do fundo: 86
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: registro de recolhimento da décima da fazenda denominada "As Queribas", pertencente ao mosteiro dos Sabões, que possuía um grande engenho de açúcar, uma fábrica de alambique, uma senzala com quatrocentos e quarenta e dois escravos e uma plantação de cana. A fazenda produziu mil e sete arrobas de açúcar branco que exportará por dois contos duzentos e quinze mil e quatrocentos réis; e duzentos e setenta e cinco arrobas de açúcar mascavo, que será exportado por duzentos e setenta e cinco mil réis.
    Data do documento: s.d.
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 44 e 44 v

    Conjunto documental: Governadores do Rio de Janeiro
    Notação: códice 77, vol. 03
    Datas-limite: 1688-1702
    Título do fundo: Secretaria de Estado do Brasil
    Código do fundo: 86
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: carta do conde de Alvor para Artur de Sá e Menezes, governador e capitão geral do Rio de Janeiro, informando que estavam sendo enviados navios com oito mil escravos destinados aos engenhos de açúcar, e proibindo que os senhores de engenho os vendam para as minas de São Paulo.
    Data do documento: 9 de dezembro de 1701
    Local: Lisboa
    Folha(s): 106-107v

    Conjunto documental: Junta do Comércio. Empregados
    Notação: códice 387, pct. 01
    Datas-limite: 1805-1826
    Título do fundo: Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação
    Código do fundo: 7X
    Argumento de pesquisa: açúcar, fabrico de
    Ementa: requerimento de Adrião José dos Santos, morador na vila de Santo Antônio do Recife, para a Mesa de Inspeção da Junta solicitando uma balança real igual a do açúcar para o algodão, além do livro rubricado pelos deputados inspetores onde se lançam marcas, taxas, o ferro das fazendas onde foi colhido, o peso líquido e uma chapa esculpida nas sacas indicando o peso líquido.
    Data do documento: 17 de setembro de 1817
    Local: Recife
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Conselho da Fazenda. Registro de alvarás e cartas régias de mercês e propriedade, da Secretaria do Conselho da Fazenda
    Notação: códice 29, vol. 03
    Datas-limite: 1808-1815
    Título do fundo: Conselho da Fazenda
    Código do fundo: EL
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Ementa: alvará que amplia o alvará de vinte e um de janeiro de mil oitocentos e nove, o qual dá aos proprietários de engenhos de açúcar e lavradores de cana o privilégio de não terem executadas suas dívidas nos bens de suas fábricas, mas sim na terça parte dos seus rendimentos. Agora o novo alvará especifica que nem as dívidas com a Real Fazenda podem ser executadas nos bens dos beneficiados.
    Data do documento: 5 de maio de 1814
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 183v-184v

    Conjunto documental: Marta Soares
    Notação: caixa 20, pct. 345
    Datas-limite: 1815-1815
    Título do fundo: Corte de Apelação
    Código do fundo: 2Ø
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Ementa: pedido de Marta Soares para a revogação da prisão de seu escravo Antônio, mestre de açúcar, determinada pelo tesoureiro fiscal para o saldo de uma dívida. A suplicante alega que o alvará de 1º de janeiro de 1809 e sua ampliação de 5 de maio de 1814 impedem que as "peças" das fábricas de açúcar sejam confiscadas para o pagamento de dívidas, inclusive com a Real Fazenda.
    Data do documento: 15 de abril de 1815
    Local: Vila de São Salvador da Paraíba do Sul
    Folha(s): 41 a 45v

    Conjunto documental: Alfândega do Rio de Janeiro
    Notação: caixa 495, pct. 02
    Datas-limite: 1714-1807
    Título do fundo: Vice-Reinado
    Código do fundo: D9
    Argumento de pesquisa: açúcar, comércio de
    Ementa: mapas dos carregamentos dos navios que irão seguir viagem para Lisboa do porto do Rio de Janeiro. Essas tabelas mostram o preço e a quantidade dos diversos tipos de açúcares como o açúcar fino, açúcar redondo, açúcar mascavo, exportados durante os meses de março até maio.
    Data do documento:17 de março de 1790
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 43

    Conjunto documental: Balanço da Receita e Despesa do Cofre da Tesouraria Geral da Junta da Real Fazenda da Capitania de Pernambuco do ano de 1799
    Notação: códice 221, vol. 02
    Datas-limite: 1799-1799
    Título do fundo: Junta da Real Fazenda de Pernambuco
    Código do fundo: 49
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: livro de registro de receitas e despesas gerais da capitania de Pernambuco. Nota-se na área destinada à arrecadação com o subsídio do açúcar e da água ardente que ocorreu um aumento da renda do ano de 1798 de 4:312.500 réis para 18:710.249 réis no ano de 1799.
    Data do documento: 1800
    Local: Pernambuco
    Folha(s): 5 a 58

    Conjunto documental: Antônio Ribeiro de Avelar
    Notação: caixa 1135, pct. 9606
    Datas-limite: 1794-1794
    Título do fundo: Inventários
    Código do fundo: 3J
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: inventário de Antônio Ribeiro de Avelar, proprietário do maior engenho de açúcar da capitania do Rio de Janeiro. As listagens incluem as terras do engenho, com grandes quantidades de cana pronta para o corte, ferramentas e instrumentos; as casas, com mobiliário e itens; e uma quantidade grande de escravos, muitos dos quais especializados na produção de açúcar e aguardente, entre outros, como carpinteiros, ferreiros, pedreiros, e de tropa. Destaca-se a listagem dos instrumentos, ferramentas e utensílios utilizados na produção do açúcar e que faziam parte do engenho.
    Data do documento: 1794-1796
    Local: Freguesia da Nossa Senhora da Conceição do Alferes
    Folha(s): 18 a 51

    Conjunto documental: Documentos referentes ao testamento da marquesa Ferreira sobre a Fazenda de Santa Cruz
    Notação: códice 618
    Datas-limite: 1612-1794
    Título do fundo: Diversos códices - SDH
    Código do fundo: NP
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: cópia do testamento da Marquesa Ferreira no qual constam instruções para o cultivo da cana, além de uma estimativa da quantidade de açúcar a ser produzido, e do lucro obtido pela venda do açúcar.
    Data do documento: s.d.
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 60, 60v

    Conjunto Documental: Correspondência ativa e passiva dos governadores do Rio de Janeiro com a Corte. Registro original
    Notação: códice 80, vol. 06
    Datas-limite: 1733-1737
    Título do fundo ou coleção: Secretaria de Estado do Brasil
    Código do fundo: 86
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: ofício do padre Álvares Gomes Ribeiro para o rei pedindo permissão para criar nas terras de sua fazenda um engenho de açúcar.
    Data do documento: s.d.
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 28v

    Conjunto documental: Consultas da Mesa do Desembargo do Paço
    Notação: códice 149, vol. 01
    Datas-limite: 1808-1814
    Título do fundo ou coleção: Mesa do Desembargo do Paço
    Código do fundo: 4K
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: consulta dos senhores de engenho e lavradores de cana de Campos de Goitacazes e de São Paulo solicitando ao Desembargo do Paço os privilégios concedidos aos senhores de engenho da capitania do Rio de Janeiro pela provisão de 26 de abril de 1760, pela qual as dívidas não podem ser executadas nas fábricas dos engenhos, sendo abatida nos seus rendimentos.
    Data do documento: 29 de novembro de 1808
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 9 a 10

    Conjunto documental: Consultas da Mesa do Desembargo do Paço
    Notação: códice 149, vol. 01
    Datas-limite: 1808-1814
    Título do fundo ou coleção: Mesa do Desembargo do Paço
    Código do fundo: 4K
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: ofício de Francisco de Macedo Vasconcellos, senhor do engenho do Morgado, que pede ajuda para escoar a sua produção, pois seu engenho é cercado por fazendas e não possui estradas públicas tendo que utilizar uma estrada particular que lhe foi impedida a passagem.
    Data do documento: 18 de setembro de 1810
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 80 a 81v

    Conjunto documental: Conselho da Fazenda. Registro de consultas de partes da Secretaria
    Notação: códice 32, vol. 01
    Datas-limite: 1817-1821
    Título do fundo ou coleção: Conselho da Fazenda
    Código do fundo: EL
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: ofício do comendador Pedro Antônio Cardoso desejando ser indenizado no valor de trezentos e cinqüenta mil réis pela compra do Engenho da Tijuca situado no termo da Vila de São Francisco na capitania da Bahia. O comendador alega que adquiriu o engenho por setenta e um mil réis, mas que no momento de receber o termo de conhecimento o escrivão se negou a lhe entregar, dizendo que o preço pago pelo mesmo equivalia às terras do engenho e que para receber o termo ele deveria pagar pelos bens físicos, tais como os objetos que auxiliam na produção, que alcançam o valor de três contos, quatrocentos e oitenta mil réis. Pedro Antônio Cardoso pagou o valor de trezentos e cinqüenta mil réis para obter o documento da escritura, valor pelo qual anseia ser restituído.
    Data do documento: 10 de setembro de 1818
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 43 a 47v

    Conjunto documental: Bahia. Ministério do Reino. Correspondência do presidente da província
    Notação: IJJ9 324
    Datas-limite: 1814-1816
    Título do fundo: Série Interior
    Código do fundo: AA
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: relato no qual o conde dos Arcos apresenta o acordo que fez com Mr. Falkner, o operador das máquinas a vapor, e comunica a aquisição de uma segunda máquina pelo coronel Pedro Antônio Cardoso e outra pelo coronel de cavalaria de milícias Francisco Lopes Vilas-Boas.
    Data do documento: 9 de julho de 1815
    Local: Bahia
    Folha(s): 145 a 145v

    Conjunto documental: Alfândega do Rio de Janeiro
    Notação: caixa 495, pct. 01
    Datas-limite: 1714-1807
    Título do fundo: Vice-reinado
    Código do fundo: D9
    Argumento de pesquisa: açúcar, comércio de
    Ementa: relação das mercadorias exportadas da capitania do Rio de Janeiro para diversos portos do império marítimo português. Totalizam 79 navios com 1.065.053½ arrobas de açúcar na importância de 2.142:013.640 réis.
    Data do documento: s.d.
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Bahia. Ministério do Reino. Correspondência do presidente da província
    Notação: IJJ9 324
    Datas-limite: 1814-1816
    Título do fundo: Série Interior
    Código do fundo: AA
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: carta do conde dos Arcos, governador da Bahia, para o marques de Aguiar, ministro dos negócios do reino, na qual relata a compra de um exemplar de uma máquina a vapor para o engenho de açúcar do coronel de milícias Pedro Antônio Cardoso. O conde descreve as vantagens de ter esse invento nos engenhos, que pode ampliar em muito a arrecadação de impostos, devido o aumento da produção. Também aconselha que o maquinista, Mr. Falkner, que veio ao Brasil instalar a máquina seja contratado, dessa maneira estimulando a fabricação das peças da máquina que, além de expandir os lucros da Real Fazenda, podem produzir peças de artilharia para a defesa da província.
    Data do documento: 2 de abril de 1815
    Local: Bahia
    Folha(s): 81 a 83v doc. n° 36

    Conjunto documental: Registro da correspondência do vice-reinado para a Corte
    Notação: códice 69, vol. 08
    Datas-limite: 1798-1798
    Título do fundo: Secretaria de Estado do Brasil
    Código do fundo: 86
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Ementa: ofício do conde de Resende, d. José Luís de Castro, para d. Rodrigo de Souza Coutinho relatando a sua tentativa de incentivar os agricultores de cana de açúcar a queimar a cana moída nas fornalhas com a promessa de prêmios oferecidos pelas câmaras aos que introduzirem o processo na produção de açúcar.
    Data do documento: 12 de novembro de 1798
    Local: Lisboa
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Tribunal do Desembargo do Paço
    Notação: caixa 140, pct. 02
    Datas-limite: 1806-1811
    Título do fundo: Mesa do Desembargo do Paço
    Código do fundo: 4K
    Argumento de pesquisa: açúcar, fabrico de
    Ementa: ofício do desembargador procurador da Coroa Luís José de Carvalho Melo ao chanceler da Relação da Bahia para mostrar a necessidade de se criarem os lugares de Juiz de Fora na vila de Alagoas. Essa vila foi considerada em "estado de ruínas", e mesmo tendo alguns engenhos de açúcar, estes não conseguiam se sustentar de forma adequada. Relata que apenas treze engenhos deram safras.
    Data do documento: 18 de setembro de 1815
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 10

    Conjunto documental: Tribunal do Desembargo do Paço
    Notação: caixa 140, pct. 02
    Datas-limite: 1806-1811
    Título do fundo: Mesa do Desembargo do Paço
    Código do fundo: 4K
    Argumento de pesquisa: açúcar, fabrico de
    Ementa: requerimento dos moradores do povoado de freguesia de Nossa Senhora do Ó do Rio de São Miguel para o rei pedindo a elevação da mesma a vila. Os suplicantes comunicam que o povoado tem cinquenta casas de negócios e dezesseis engenhos reais, mas que estes últimos não estão dando muitas safras.
    Data do documento: 22 de março de 1818
    Local: Alagoas
    Folha(s): 69

    Conjunto documental: Tribunal do Desembargo do Paço
    Notação: caixa 166, pct. 02
    Datas-limite: 1808-1828
    Título do fundo: Mesa do Desembargo do Paço
    Código do fundo: 4K
    Argumento de pesquisa: açúcar, fabrico de
    Ementa: requerimento de Izabel de Souza Cabral Pessanha para vender um engenho de açúcar para o seu cunhado sargento-mor Joaquim Silvério dos Reis Montenegro. Relata que após a morte de seu marido, o sargento-mor João José da Silva Pessanha, ficou responsável pela dívida de doze mil réis e por duas fazendas de açúcar, informando que não tinha como administrá-las, até por considerar que isso não deveria ser feito por uma mulher. Com isso, resolve vender um dos engenhos, denominado de Cacomanga, para abater a dívida, só que há o problema de se ter outros herdeiros.
    Data do documento: 13 de abril de 1824
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s):100

    Conjunto documental: Junta do Comércio. Falências comerciais
    Notação: caixa 367, pct. 01
    Datas-limite: 1809-1845
    Título do fundo: Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação
    Código do fundo: 7X
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Ementa: ofício de José Caetano Gomes e Mariano José Pereira da Fonseca pedindo a nomeação de Felisberto José de Almeida e Manoel Antonio das Neves para a inspeção da qualidade do açúcar. Esses são considerados capazes por já terem executado este serviço e serem melhores escolhas do que os próprios comerciantes, já que estes não podem servir de árbitros da qualificação de um gênero que compram e vendem.
    Data do documento: 18 de agosto de 1810
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 52 e 52v

    Conjunto documental: Junta do Comércio. Falências comerciais
    Notação: caixa 367, pct. 01
    Datas-limite: 1809-1845
    Título do fundo: Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação
    Código do fundo: 7X
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Ementa: ofício de d. Fernando José de Portugal para o príncipe regente remetendo a carta traduzida do viajante inglês John Mawe, com suas observações sobre o Brasil. John Mawe veio em expedição científica, sendo nomeado por ministros britânicos, e considera, entre outros aspectos, que deve haver novos métodos para uma melhor produção de açúcar, que no Brasil estariam muito atrasados.
    Data do documento: 30 de abril de 1808
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Manuel Duarte Silva
    Notação: caixa 1428, proc. 663
    Datas-limite: 1796-1796
    Título do fundo: Inventários
    Código do fundo: 3J
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Ementa: declaração dos bens de Manuel Duarte da Silva. Entre eles estão dez escravos não especializados; ferramentas, como a roda de moer mandioca, avaliada em mil e quinhentos réis; a plantação, como um quartel da planta de cana, avaliada em três mil e cana limpa valendo seis mil e quatrocentos; o valor da casa de vivenda, de seis mil e quatrocentos mil réis; e a avaliação dos duzentos e cinqüenta braços de terra, considerados no valor seis contos de réis.
    Data do documento: 28 de novembro de 1796
    Local: Vila de Santo Antônio de Sá
    Folha(s): 10 a 12

    Conjunto documental: Manuel Duarte Silva
    Notação: caixa 1428, proc. 663
    Datas-limite:1796-1796
    Título do fundo: Inventários
    Código do fundo: 3J
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Ementa: declaração do tenente João Duarte Silva procurador de Aurélia Maria de Paiva, sua mãe, mostrando o que se produziu no seu engenho e por quanto se vendeu a produção. Coloca que teve a produção de cento e sete arrobas de açúcar branco, importando duzentos e noventa e cinco mil trezentos e vinte réis, e um rendimento de cinqüenta e cinco mil duzentos e cinqüenta réis em relação ao açúcar mascavo.
    Data do documento: 13 de setembro de 1798
    Local: Vila de Santo Antônio de Sá
    Folha(s): 30

    Conjunto documental: Manuel Duarte Silva
    Notação: caixa 1428, proc. 663
    Datas-limite: 1796-1796
    Título do fundo: Inventários
    Código do fundo: 3J
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Ementa: declaração dos bens de Manuel Duarte Silva. Entre outros itens, está arrolado o dinheiro líquido proveniente da venda de açúcar branco e mascavo, na quantia de trezentos e cinqüenta mil quinhentos e setenta réis.
    Data do documento: 29 de janeiro de 1802
    Local: Vila de Santo Antônio de Sá
    Folha(s): 44

    Conjunto documental: Junta do Comércio. Portarias e circulares recebidas
    Notação: caixa 419, pct. 01
    Datas-limite: 1808-1812
    Título do fundo: Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação
    Código do fundo: 7X
    Argumento de pesquisa: açúcar, fabrico de
    Ementa: ofício de Luís José de Carvalho e Melo a Real Junta de Comércio acerca de dois caixotes de cana de açúcar de Caiena. Esta cana é considerada de qualidade superior, e por isso pede que ela seja espalhada pelo país, e se possível, que se mande um pé para a chácara do príncipe regente e outra para a Lagoa de Freitas.
    Data do documento: 26 de março de 1811
    Local: Rio de janeiro
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Vasco Fernandes Rangel
    Notação: caixa 1123, proc. 9269
    Datas-limite: 1799-1818
    Título do fundo: Inventários
    Código do fundo: 3J
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Ementa: declaração dos bens de Vasco Fernandes Rangel. Consta que o engenho de açúcar denominado Rio Grande vale dois contos e duzentos e cinqüenta mil réis, e avalia outros bens, como a casa da caldeira, que vale trinta mil réis, um alambique, que vale oitenta e seis mil e quatrocentos réis, e quatro moendas, que estão no valor de quatro mil e oitocentos réis. Ainda relaciona as dívidas que o falecido tem, e que foram pagas com cana.
    Data do documento: s.d.
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 7v a 15v

    Conjunto documental: Vasco Fernandes Rangel
    Notação: caixa 1123, proc. 9269
    Datas-limite: 1799-1818
    Título do fundo: Inventários
    Código do fundo: 3J
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Ementa: declaração do inventariante José da Fonseca Vasconcelos sobre o rendimento das safras de açúcar dos anos de 1798, 1799 e 1800. No primeiro ano, foram produzidas de vinte e duas caixas de açúcar branco e mascavo, e retirando o dízimo, as trinta e seis arrobas que pertenciam aos lavradores, e demais despesas, houve o rendimento de dois contos oitocentos e vinte e um mil e cento e sessenta réis. No segundo, o rendimento ficou em um conto quinhentos e noventa e seis mil setecentos e noventa e quatro réis e no terceiro, em um conto sete mil e quatrocentos e cinqüenta mil réis.
    Data do documento: s.d.
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Capitanias da Bahia, Alagoas, Ceará, Goiás, maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Pernambuco, Piauí, São Paulo, Santa Catarina
    Notação: caixa 748 (pct. 01)
    Datas-limite: 1770-1813
    Título do fundo: Vice-Reinado
    Código do fundo: D9
    Argumento de pesquisa: açúcar, comércio de
    Ementa: mapa dos produtos exportados pela capitania da Bahia para Portugal e feitorias na África, no ano de 1799. Entre eles, o açúcar, que teve oitocentos trinta e seis mil setecentos e oitenta arrobas exportadas para Portugal e noventa e seis para Costa da Mina.
    Data do documento: `1799]
    Local: Bahia
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Capitanias da Bahia, Alagoas, Ceará, Goiás, maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Pernambuco, Piauí, São Paulo, Santa Catarina
    Notação: caixa 748 (pct. 01)
    Datas-limite: 1770-1813
    Título do fundo: Vice-Reinado
    Código do fundo: D9
    Argumento de pesquisa: açúcar, comércio de
    Ementa: mapa dos produtos transportados da Bahia para Lisboa e para o Porto. Entre eles o açúcar, transportado em quinze mil setecentos e onze caixas, setecentos e onze feixes e cento e onze canas.
    Data do documento: 9 de setembro de 1798
    Local: Bahia
    Folha: -

    Conjunto documental: Capitanias da Bahia, Alagoas, Ceará, Goiás, maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Pernambuco, Piauí, São Paulo, Santa Catarina
    Notação: caixa 748 (pct. 02)
    Datas-limite: 1770-1813
    Título do fundo: Vice-Reinado
    Código do fundo: D9
    Argumento de pesquisa: açúcar, comércio de
    Ementa: mapa de importação e exportação de produtos de Pernambuco no ano de 1802. Um dos gêneros exportados é o açúcar, que gerou um valor em dinheiro de trezentos e noventa e oito contos vinte e três mil e quatrocentos e cinqüenta réis.
    Data: `1802]
    Local: Pernambuco
    Folha(s): -

    Conjunto documental: Ministério do Império - Casa Imperial - Fazenda de Santa Cruz
    Notação: caixa 507, pct. 01
    Datas-limite: 1783-1800
    Título do fundo: Fazenda Nacional de Santa Cruz
    Código do fundo: EM
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: carta do desembargador inspetor José Feliciano da Rocha Gameiro em que fornece informações sobre a Real Fazenda de Santa Cruz. O documento apresenta características físicas da fazenda tais como suas medidas e condições do solo, que teria boas condições de adubagem devido às freqüentes inundações. Relata que, pela presença na fazenda de diversos escravos com ofícios, seria possível erigir dois engenhos de açúcar, produto que seria de grande utilidade devido ao seu preço. Inclusive, segundo o desembargador, muitos senhores deixavam de fazer farinha para empregarem seus escravos na produção do açúcar. Portanto, seria necessário pouco dinheiro para implantação dos engenhos, visto que o retorno seria tamanho que compensaria o gasto. Acrescenta que na fazenda existia a possibilidade de plantar café e arroz, além de aconselhar a venda de seis léguas de sertão perto da fazenda para assegurado sustento da mesma.
    Data do documento: 19 de fevereiro de 1791
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 6 a 8v

    Conjunto documental: Ministério do Império - Casa Imperial - Fazenda de Santa Cruz
    Notação: caixa 507, pct. 01
    Datas-limite: 1783-1800
    Título do fundo: Fazenda Nacional de Santa Cruz
    Código do fundo: EM
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: carta do conde de Resende a Martinho de Melo e Castro, Secretário de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar, na qual informa que mandara construir dois engenhos na Real Fazenda de Santa Cruz, e relata o estado das obras, das plantações e as condições das ferramentas utilizadas na moenda da cana. O conde afirma que os negócios da Administração Real sempre sofrem de desvios mas que, com ele próximo, sua majestade tiraria grande proveito dos engenhos, e que continuaria a mandar erguer novos nos lugares que julgasse necessário.
    Data do documento: 27 de maio de 1792
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 2 a 3

    Conjunto documental: Ministério do Império - Casa Imperial - Fazenda de Santa Cruz
    Notação: caixa 507, pct. 01
    Datas-limite: 1783-1800
    Título do fundo: Fazenda Nacional de Santa Cruz
    Código do fundo: EM
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: relatório do administrador da Real Fazenda de Santa Cruz, Manoel Rodrigues Silvano, no qual indica em que estado se encontra a obra do engenho, além de contabilizar os gastos com pagamentos de trabalhadores homens e mulheres, a quantidade desses trabalhadores, suas funções e quantos deles estariam doentes. Detalha que os pagamentos seriam feitos com o dinheiro das pastagens do gado por ordem do inspetor, e conclui detalhando as transações de compra e venda do gado da Fazenda Real e os lucros obtidos.
    Data do documento: 2 de agosto de 1793
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 75 a 77v

    Conjunto documental: Ministério do Império - Casa Imperial - Fazenda de Santa Cruz
    Notação: caixa 507, pct. 01
    Datas-limite: 1783-1800
    Título do fundo: Fazenda Nacional de Santa Cruz
    Código do fundo: EM
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: carta de Manoel Rodrigues Silvano na qual relata o estado das obras de construção dos dois engenhos na Fazenda Real de Santa Cruz, que estaria adiantado, apesar dos poucos trabalhadores. Conta que foram produzidas 29 caixas de açúcar de boa qualidade, uma de açúcar mascavo e 29 pipas de água ardente. Em razão das constantes chuvas, não fora possível pôr o açúcar para secar com a brevidade necessária, no entanto, conta ele que na primeira embarcação que entrasse no rio Itaguaí, seria embarcada a água ardente para a cidade.
    Data do documento: 23 de fevereiro de 1794
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 28

    Conjunto documental: Ministério do Império - Casa Imperial - Fazenda de Santa Cruz
    Notação: caixa 507, pct. 01
    Datas-limite: 1783-1800
    Título do fundo: Fazenda Nacional de Santa Cruz
    Código do fundo: EM
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: carta de Manuel do Couto Reis na qual relata a situação das culturas de cana e produção do açúcar na Real Fazenda de Santa Cruz. Segundo ele, a produção, apesar da pouca quantidade, era de boa qualidade, e em ambos aspectos era superior ao ano anterior. Tal fato o fez acreditar na potencialidade da terra para o cultivo da cana, prevendo assim o aumento na produção futura. Segundo ele, fora começada uma plantação de cana perto do "Piahy" `Piraí] para facilitar o transporte, e a construção de um armazém poderia ter sido iniciada se não fossem as notícias de possível venda da fazenda.
    Data do documento: 4 de janeiro de 1795
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 1 a 3v

    Conjunto documental: Registro de provisões, alvarás, leis, títulos, orais e regimentos da Relação do Brasil
    Notação: códice 541
    Datas-limite: 1613-1691
    Título do fundo: Relação da Bahia
    Código do fundo: 83
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: alvará real decretando que fossem expedidas somente uma certidão para cada carga de açúcar que embarcasse rumo ao reino, e não uma certidão para cada caixa de açúcar como antes se praticava. Tal procedimento atrapalhava o carregamento e causava encargos para os carregadores como o pagamento de cem réis para cada certidão emitida. Sendo assim, também seria mandada outra certidão do reino informando onde a carga descarregara. Qualquer carregador do Estado do Brasil, de qualquer condição, que transportasse açúcar para o reino pagaria somente uma fiança para toda a sua carga, e o mestre do navio redigiria uma declaração com o nome de cada carregador, o número de caixas suas embarcadas, e as arrobas que cada caixa levava. Após o procedimento, seria expedida uma certidão geral.
    Data do documento: 15 de janeiro de 1605
    Local: Lisboa
    Folha(s): 115v e 116

    Conjunto documental: Registro de provisões, alvarás, leis, títulos, orais e regimentos da Relação do Brasil
    Notação: códice 541
    Datas-limite: 1613-1691
    Título do fundo: Relação da Bahia
    Código do fundo: 83
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: provisão que desobriga os senhores que tenham acabado de construir seus engenhos de pagar os direitos por dez anos. O prazo começaria a valer a partir do fim da edificação do engenho, fato que deveria ser reportado prontamente ao provedor da Fazenda. Durante este tempo, estaria o senhor apenas obrigado a pagar o dízimo devido à Ordem de Nosso Senhor Jesus Cristo, e a partir do momento em que ele começasse a gozar do benefício dos dez anos, sua condição seria declarada nas certidões que fossem enviadas juntamente com o açúcar para o reino.
    Data do documento: 16 de março de 1570
    Local: Lisboa
    Folha(s): 161 e 161 v

    Conjunto documental: Registro de provisões, alvarás, leis, títulos, forais e regimentos da Relação do Brasil
    Notação: códice 541
    Datas-limite: 1613-1691
    Título do fundo: Relação da Bahia
    Código do fundo: 83
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: alvará de d. Filipe II, rei de Portugal, no qual declara que a liberdade que desobrigara os senhores de engenho de pagar os direitos por dez anos era necessária, em vista dos grandes gastos com tal empreendimento. No entanto, segundo ele, os donos de engenhos do Estado do Brasil têm praticado uma nova forma de moer açúcar, o engenho de "trapiche", menos dispendiosa e com mais facilidades. Por conta disso, o rei proclama que fossem proibidos os registros de engenhos que trabalhassem dessa forma, e veta a emissão de certidões para guardar a carga nos armazéns do reino.
    Data do documento: 24 de maio de 1614
    Local: Lisboa
    Folha(s): 162 e 162 v

    Conjunto documental: Registro da correspondência do Vice-Reinado com diversas autoridades
    Notação: códice 70, vol. 08
    Datas-limite: 1774-1777
    Título do fundo: Secretaria de Estado do Brasil
    Código do fundo: 86
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: carta do marquês de Lavradio ao mestre de campo Miguel Antunes Ferreira na qual relata o descuido dos senhores de engenho com plantações de mantimentos por se acharem ocupados na cultura do açúcar. Mandava que fossem retiradas de seu poder as terras não utilizadas para que em seguida fossem dadas para quem as cultivasse.
    Data do documento: 16 de setembro de 1774
    Local: Rio de janeiro
    Folha(s): 28

    Conjunto documental: Registro de datas e demarcações de sesmarias (Provedoria da fazenda da Bahia)
    Notação: códice 427, vol. 01
    Datas-limite: 1671-1690
    Título do fundo: Tesouraria da Fazenda da província da Bahia
    Código do fundo: BX
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Ementa: registro de provisão do Coronel Francisco Gil de Araújo que pedira duas léguas de terra em sesmaria. Argumenta que entre as terras de Pedro Botelho da Fonseca e de Gaspar Rodrigues Alonso existia este pedaço de terra que não pertencia a ninguém, e que o coronel pedia. O suplicante já possuía um engenho, mas estava a construir outro. Por isso pedia mais terras por sesmaria para que pudesse trabalhar com o seu novo engenho.
    Data do documento: 29 de agosto de 1671
    Local: Salvador
    Folha(s): 12 a 12v

    Conjunto documental: José da Costa Neves
    Notação: maço 434, proc. 8386
    Datas-limite: 1798-1798
    Título do fundo: Inventários
    Código do fundo: 3J
    Ementa: inventário que constam relacionados os pertences de José de Araújo da Fonseca, entre eles escravos seus e de seu falecido irmão, uma casa na freguesia de São João de Meriti, uma cultura de cana de açúcar nas terras do capitão Antônio da Rocha Barbosa, duas caixas de açúcar branco, uma com 42 arrobas e outra com 20 arrobas localizadas no Engenho do Carrapato, onde José de Araújo era lavrador. No documento estão declarados seus sobrinhos como herdeiros universais.
    Data do documento: 10 de dezembro de 1797
    Local: Rio de Janeiro
    Folha(s): 4

  • Carta do conde de Resende

    Ofício do conde de Resende, d. José Luís de Castro, para d. Rodrigo de Souza Coutinho sobre o incentivo aos agricultores de cana de açúcar para queimarem a cana moída nas fornalhas com a promessa de prêmios oferecidos pelas câmaras.

    Conjunto documental: Registro da correspondência do vice-reinado para a Corte
    Notação: códice 69, vol. 08
    Datas-limite: 1798-1798
    Título do fundo: Secretaria de Estado do Brasil
    Código do fundo: 86
    Argumento de pesquisa: açúcar, cana de
    Data do documento: 12 de novembro de 1798
    Local: Lisboa
    Folha(s): -

    Ilustríssimo e excelentíssimo senhor. Unindo as minhas diligências, e a `minha] eficácia aos reais desejos de sua majestade em promover por todos os meios a felicidade dos seus vassalos, procurei dar o possível impulso a recomendação da mesma senhoria, a fim de persuadir aos agricultores desta capitania o uso de bois e arados para cultivar as terras, e o método de queimar nas fornalhas dos engenhos de açúcar[1] as canas[2] já moídas. E como um dos meios mais acertados para animar aos mesmos agricultores seria a esperança de prêmios prometidos pelas Câmaras àqueles que primeiro introduzissem as referidas práticas, escrevi a todas sobre estes objetos tão úteis para o aumento da agricultura[3] e prosperidade destes povos, como recomendados por sua majestade. As respostas de algumas, que envio a vossa excelência contém as razões gerais em que se fundam os lavradores para se não aplicarem aos usos acima indicados sendo a `vossa] a necessidade que eles tem de escolherem os terrenos montuosos `sic] para a plantação das mandiocas, e a 2ª a precisão de fazerem novas e anuais derrubadas de matos virgens onde ficam grandes madeiras, cepos, e raízes, que embaraçam a passagem do arado. Os que trabalham em fábricas de açúcar intentam persuadir que o fogo das canas moídas, ou do bagaço[4] não tem a intensidade necessária para a depuração do mesmo açúcar como alguns segundo dizem, já o experimentaram. Porém eu creio, que quando se consiga dar às fornalhas outra forma, diferente da atual, de cujos defeitos provavelmente procederá a falta de atividade que se observa no fogo do bagaço, quando os lavradores não poderem estender as suas derrubadas, e forem constrangidos a beneficiar as terras velhas, e já cansadas, e quando finalmente se lhes faça sumamente onerosa a compra dos escravos[5] pelo excesso do preço, porque se vão reputando cada vez mais; então a necessidade os fará industriosos, e porão em uso aqueles mesmos recursos, que hoje lhes parecem impraticáveis. Não deixo contudo de fazer novos esforços, inspirando em algumas pessoas o gosto de se aplicarem a tentativas sobre os mesmo objetos, sempre na esperança de que elas ainda poderão a vir ser de suma utilidade aos fins propostos.
    Em execução do que vossa excelência me participa no mesmo ofício de 4 de janeiro deste ano, ordenei a Mesa da Inspeção[6] remetesse uma descrição dos métodos que atualmente se praticam para a cultura, e manipulação dos gêneros, que se exportam das colônias, assim como das máquinas de que se servem para limpar, e descascar o algodão[7], e café[8], e particularmente de tudo o que diz respeito aos engenhos de açúcar; e como até o presente  se não tem concluído por aquela Mesa a descrição ordenada, por este motivo me é impossível dirigi-la a vossa excelência nesta ocasião.
    Deus guarde a vossa excelência. Rio de Janeiro doze de novembro de mil setecentos e noventa e oito. Conde de Resende[9].

    Senhor d. Rodrigo de Souza Coutinho[10].

     

    [1] Durante o período colonial o termo "engenho" designava o mecanismo usado para moer a cana, no início do processo de preparo do açúcar. Passa a referir-se ao complexo no qual se fabricava açúcar - as terras, as plantações, a casa senhorial, a senzala, as ferramentas, e a moenda - posteriormente, desde a segunda metade do século XIX, conceito cunhado por historiadores e estudiosos da agricultura e economia coloniais. Os engenhos (moendas) se dividiam em dois tipos, os movidos a água - de grande monta, e os movidos a tração animal, menores em tamanho e capacidade de produção, também chamados engenhocas ou trapiches, e mais utilizados na produção de aguardente. Os engenhos, como unidades produtivas, tiveram um papel central na colonização, ocupação e povoamento do território da colônia. Constituíam verdadeiros núcleos populacionais, em torno dos quais e de suas capelas, se formavam vilas e se construíam as defesas das fronteiras das capitanias. Os grandes engenhos tinham em torno de 60 a 100 escravos, e muito poucos ultrapassavam a marca de 150-200 cativos, dos quais, em média, 75% trabalhavam nos campos, 10% na manufatura do açúcar, e o restante dedicava-se a atividades domésticas ou não relacionadas ao trato açucareiro. Os engenhos, assim como o açúcar, tinham grande valor, mas um alto custo: as terras, o beneficiamento, os instrumentos, os escravos, as construções encareciam a produção, que apresentava em geral baixos rendimentos, descontados os gastos do senhor. A maior parte dos engenhos era muito pouco ou não lucrativa, fazia o suficiente para sua subsistência, ou lucrava mesmo com a produção da aguardente. Algumas poucas unidades geraram fortunas; a maioria rendia pouco e muitos acumularam grandes dívidas. Ao contrário do que comumente se pensa a capitania que mais concentrava engenhos, em quantidade e grandeza, era a Bahia, e não Pernambuco, seguida pelo Rio de Janeiro, e então por aquela. A lucratividade variava muito, de acordo com a safra de cana (influenciada pelas condições climáticas e de solo), com as epidemias que assolavam vez ou outra a população escrava e de trabalhadores pobres, com a falta de gêneros (como lenha, água, animais) e com as dívidas que se acumulavam. Apesar das dificuldades, os engenhos não eram abandonados, e a produção açucareira, embora oscilasse de acordo com as ofertas e demandas do mercado europeu e suas colônias, não perdeu sua importância no Brasil. Os engenhos representavam um microcosmo da sociedade aristocrática rural, apoiada no poder patriarcal e político do senhor, base da sociedade brasileira em construção, bem analisada por Gilberto Freire em sua obra. Mais do que representação de riqueza, o engenho tinha grande importância simbólica, um signo de poder e um sinal de distinção.
    [2] Originária da Ásia, a Saccharum Officinarum é um tipo de gramínea utilizada até hoje na fabricação do açúcar e derivados, como por exemplo, o melaço e a aguardente. A cana de açúcar foi introduzida na Península Ibérica pelos árabes e no Brasil na primeira metade do século XVI, na capitania de São Vicente. Portugal já plantava cana na Ilha da Madeira e dado o alto valor alcançado pelo açúcar nos mercados europeus, ampliou a produção em sua maior colônia, o Brasil. Logo depois da introdução no Sudeste brasileiro a cultura começou a se transferir para o Nordeste, tendo florescido nas capitanias de Pernambuco e Bahia, principalmente, onde encontrou clima e solos adequados ao plantio. Outra razão para o sucesso da lavoura canavieira nesta região era sua proximidade com a Europa, que diminuía os custos e os riscos do transporte marítimo do produto. Cultivada em grandes latifúndios, principalmente com mão de obra escrava, a cultura da cana e do açúcar foi durante muito tempo a mais lucrativa da América luso-brasileira, tendo, ao longo do período colonial, perdido o status de principal produto agrícola, mas não a importância para a economia, constituindo o principal modelo da plantation definida por Caio Prado Júnior. Divididas em "partidos", que equivaliam aos lotes, as terras eram cultivadas por escravos da propriedade ou por trabalhadores livres, que podiam plantar nas terras do engenho ou próprias, utilizando seus instrumentos ou de propriedade do senhor, em um sistema semelhante ao de meiagem. O cultivo da cana no Brasil era bastante rudimentar. A preparação do solo era feita a partir da derrubada da mata e queimadas. Na época das colheitas utilizava-se o fogo novamente na plantação, para diminuir as folhas e facilitar o corte. Um canavial rendia aproximadamente seis boas colheitas, já que o solo esgotava-se rapidamente com este método agressivo de plantio. Até hoje a cana de açúcar ocupa um espaço importante no setor alimentício da economia brasileira, mas atualmente destaca-se mais a produção de álcool para combustível.
    [3] Durante a maior parte do período colonial o sistema agrícola brasileiro se caracterizou pela grande lavoura monocultora e escravista voltada para exportação, definida como plantation por Caio Prado Junior. Entretanto, podiam ser encontradas também em pequena escala as pequenas lavouras, policultoras e de trabalho familiar. Com a chegada da Família Real e toda a estrutura do Estado português, houve a necessidade de maior abastecimento de gêneros agrícolas especificamente para o mercado interno. Na época a estrutura agrária brasileira era pautada pela rusticidade dos meios de produção, pela adubação imprópria e falta da prática do arado, enfim, o que havia era a presença modesta de técnicas modernas de cultivo. D. João VI, atento a essa situação emergencial, criou em 1812 o primeiro curso de agricultura na Bahia e em 1814, no Rio de Janeiro, uma cadeira de botânica e agricultura, entregue a frei Leandro do Sacramento. O objetivo era o melhor conhecimento das espécies nativas, não apenas para descrição e classificação, mas também para descobrir seus usos alimentares, curativos e tecnológicos. Mais do que isso, a promoção dos estudos botânicos e agrícolas era parte de uma nova mentalidade de promoção das ideias científicas, que já vinha sendo implementada em Portugal desde o final do século XVIII, filiadas ao pensamento fisiocrático. A agricultura era vista como uma verdadeira "arte", pois era o melhor exemplo de como o homem era capaz de "domesticar" a natureza e fazê-la produzir a partir das necessidades humanas. Significava a interferência do Estado em prol do aproveitamento racional das riquezas naturais, orientado pelas experimentações e pela própria razão.
    [4] A utilização do bagaço da cana como um tipo de "combustível" para queimar nas fornalhas do engenho, embora prática comum, não era frequente. Este ofício do conde de Resende evidencia uma preocupação de incentivar os senhores de engenho a adotarem essa medida, que poupava as florestas de serem derrubadas para se obter lenha, apesar de muitos deles acreditarem que a palha da cana resultasse em um fogo mais fraco, e menos eficiente para aquecer as caldeiras e preparar o açúcar. Além de resolver o problema dos restos da cana moída, que era também usada como alimento para o gado. A queima do bagaço no processo de produção açucareira passou a ser mais habitual a partir de fins do século XIX.
    [5] Pessoa cativa, desprovida de direitos, sujeita a um senhor, como sua propriedade. Embora a escravidão, na Europa, existisse desde a época do Império Romano, durante a Idade Média ela recuou para um estado residual, período no qual prevaleceu o regime de servidão. Com a expansão ultramarina, a partir do século XV, a escravidão revigorou-se, mas adquiriu contornos bem diferentes e proporções muito maiores, prevalecendo a intensa captura de africanos para o trabalho cativo. No Brasil, de início utilizou-se o aprisionamento de nativos para formar esse contingente de mão de obra escrava. Por diversos motivos - dificuldade em forçar o trabalho do homem indígena na agricultura, morte e fuga de grande parte dos nativos para áreas do interior ainda inacessíveis aos europeus, lucro com a implantação de um comércio de escravos importados da África - a escravidão africana começou a suplantar a indígena em número e importância econômica quando do início, no Brasil, da atividade açucareira em grande extensão. Apesar disso, a escravidão indígena perduraria por bastante tempo ainda, marcando a vida em pontos da colônia mais distantes da costa e em atividades menos extensivas. A atividade escravista, além de ser um dos empreendimentos mais lucrativos de Portugal, era também a principal fonte de mão-de-obra para o cultivo de diversas culturas no Império português. Rio de Janeiro, Bahia e Pernambuco foram os principais centros importadores de escravos africanos do Brasil. Apesar dos acordos entre Brasil e Inglaterra para interrupção do tráfico de escravos nas primeiras décadas do século XIX, este se intensificou e os escravos de origem africana continuaram a ser, durante o período joanino, a principal fonte de mão-de-obra utilizada na lavoura, no comércio e nas mais variadas atividades urbanas e rurais.
    [6] As Mesas de Inspeção da Agricultura e do Comércio, ou Mesas de Inspeção do Açúcar e do Tabaco, começaram a ser implementadas no Brasil a partir de 1751 como parte da política iniciada pelo primeiro ministro do Império português, o marquês de Pombal, visando ao controle e revitalização do comércio entre colônia e metrópole. Foram criadas nas capitanias da Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro e Maranhão, inicialmente como um órgão independente do sistema fazendário, e depois de 1756, sob a jurisdição da Junta de Comércio de Lisboa, posteriormente Real Junta de Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação. A Mesa da Bahia contava com a maior estrutura interna e era responsável pela inspeção de um volume maior da produção colonial de açúcar e tabaco. As principais funções das Mesas consistiam no controle e fiscalização da produção e qualidade do açúcar e tabaco, pela taxação dos produtos (incluindo valores de frete e armazenamento nos portos) e pelo combate ao contrabando. Aos fiscais cabia examinar os produtos, classificá-los conforme o tipo e qualidade, estabelecer o preço a ser cobrado, que deveria ser fixo para a praça de comércio, determinar os valores dos impostos e direitos a serem pagos, fiscalizar os pagamentos e confiscar os gêneros que não estivessem de acordo com o estabelecido pela Mesa. Competia ainda a eles embalar as mercadorias, distribuir o carregamento entre os negociantes, e gerir outras atividades ligadas ao comércio. Em decorrência dessas atividades, a Mesa vivia em constante conflito com os senhores de engenho e agricultores das capitanias, que reclamavam dos valores que eram obrigados a pagar por transporte e armazenamento, e dos preços fixados para o açúcar e o tabaco, sempre considerado baixo e deficitário para os produtores. No tocante ao progresso da agricultura, as Mesas se encarregariam de promover um estímulo à modernização da lavoura, propondo a introdução de novas técnicas e instrumentos, e implementando novas culturas. Eram compostas, salvo algumas variações, por um desembargador no cargo de presidente; dois inspetores - deputados da Junta - um do açúcar e outro do tabaco; dois deputados, negociantes da praça de comércio; além de um oficial régio, como secretário. Um dos desembargadores que assumiu a Inspeção da Bahia foi José da Silva Lisboa, visconde de Cairu, indicado para o cargo por d. Rodrigo de Souza Coutinho em 1797. À frente da Mesa, o ilustrado procurou adequá-la aos novos preceitos da economia política, em acordo com a os preceitos do iluminismo português, e chegou a escrever uma memória sobre a situação da Mesa propondo melhoramentos na organização do comércio na capitania e uma reforma na estrutura do órgão.
    [7] Diversas espécies nativas de algodão podiam ser encontradas no Brasil desde os primeiros anos de colonização. A chegada das primeiras técnicas de fiação e tecelagem com a fibra algodoeira, no entanto, datam do século XVII, quando as roupas de algodão passaram a ser utilizadas para a vestimenta dos escravos nos meses de mais calor. A partir da segunda metade do século XVIII, a crescente demanda pelo consumo de algodão pelo Império britânico forçou a expansão do cultivo e a fabricação de fios no Brasil. Esse processo provocou uma segunda onda de interiorização da produção mercantil para exportação, isso porque o plantio do algodão é mais propicio em clima seco, com chuvas regulares, ou seja, em áreas afastadas do litoral. Foi no Maranhão, através dos incentivos criados pela Companhia Geral do Comércio do Grão-Pará e Maranhão, que o crescimento da produção algodoeira foi mais intenso e longevo, perdurando até meados do século XIX. No Estado do Grão-Pará e Maranhão, foi ainda empregado no pagamento dos funcionários régios e nas transações comerciais (na forma de novelos ou de peças de pano) até 1749, quando foi introduzida a moeda metálica naquela região. No oitocentos, apesar da onda de produção crescente, o baixo preço e a qualidade superior do algodão norte-americano terminou por suplantar o produto brasileiro nos mercados internacionais.
    [8] O café, planta de origem etíope da família das rubiáceas, começou a ser utilizado como bebida na Arábia. A expansão do consumo pela Europa deu-se entre os séculos XVII e XVIII, por suas qualidades estimulantes. Consta que a introdução no Brasil, em 1720, foi feita pelo oficial português Francisco de Melo Palheta, que plantou as primeiras mudas no Pará. Ao longo do século XX o café tornou-se uma bebida popular, e seu consumo e produção se expandiram muito, principalmente a partir de 1865, quando passou a ser comercializado torrado e empacotado (anteriormente era vendido em grãos). Destacam-se no Brasil duas grandes fases de expansão cafeeira, a primeira, de inícios do Oitocentos até os anos 1850, iniciada nas encostas do morro da Tijuca em plantações caseiras, até a expansão por todo o Vale do rio Paraíba do Sul, a leste e oeste, com foco na região da cidade de Vassouras, o maior centro produtor da época. Nestas regiões o café iniciou seu grande desenvolvimento pela abundância de terras férteis, pelo bom clima e pela mão-de-obra escrava disponível. Ocupou o lugar das plantações de cana, algodão e alimentos, gerando escassez e carestia dos gêneros de abastecimento, além de ter promovido a derrubada e queimada de grandes extensões da mata atlântica. A segunda fase, que se iniciou a partir de metade do século XIX, foi marcada pela expansão das lavouras para São Paulo, seguindo o vale do Paraíba, e depois de 1870, avançando pelo Oeste Paulista. Ocorrida depois da abolição do tráfico, esta época ficou marcada pela intensificação do tráfico intra e interprovincial, o que promoveu o aumento do preço dos cativos, direcionando escravos para as áreas cafeeiras, de grande demanda, despovoando as áreas de produção de açúcar no Nordeste, sobretudo. A lavoura do café gerou significativas divisas, tanto pelas lavouras no Rio e em São Paulo, e criou uma nova, poderosa e politicamente forte aristocracia rural, a dos "barões do café". Esta cultura encontrou muitos estímulos por ser considerada fácil e muito rentável, necessitando de grandes extensões de terras (ocupadas no interior), e de mão-de-obra (escrava). Embora lucrativo, o plantio do café desgastava muito rapidamente o solo, razão para a constante movimentação nas áreas de cultivo, e no declínio da produção na região fluminense. Outro problema era a carência do uso de novas técnicas e instrumentos. A adoção de ferramentas como o arado, e de máquinas a vapor para o beneficiamento, e mesmo de procedimentos simples como o enfileiramento dos pés, só foram adotados a partir dos anos 1870. Essa era uma das razões para o café brasileiro ser considerado de qualidade inferior, se comparado ao de outros países, o que não impediu, no entanto, que ao longo do período imperial, o Brasil fosse o responsável por 50% da produção mundial, número que aumentou para 75% nas primeiras décadas da República.
    [9] 2º conde de Resende, foi vice-rei do Estado do Brasil entre 1789 e 1801. Durante sua administração ocorreu a Inconfidência Mineira e o julgamento e condenação dos envolvidos, dentre eles, Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, preso, enforcado e esquartejado no Rio de Janeiro. Como governante, procurou melhorar as finanças e condições sanitárias da capital: prolongou o cais do Largo do Paço, completou o aterro do mangal de Pedro Dias (iniciado pelo marquês do Lavradio), aterrou o Campo de Santana. Foi responsável também pelo fechamento e a devassa da Sociedade Literária do Rio de Janeiro, acusada pela sedição conhecida como a Conjuração do Rio de Janeiro (1794).
    [10]D.Rodrigo Domingos de Souza Coutinho Teixeira de Andrade Barbosa, conde de Linhares. (1755-1812) .Estadista português, foi aluno do Colégio dos Nobres e da Universidade de Coimbra, afilhado de Sebastião José de Carvalho e Melo, 1º marquês de Pombal que conduziu a política reformista de d. José I, d. Rodrigo frequentou círculos intelectuais europeus na França e na Suíça. Exerceu diversos cargos políticos - como o de embaixador em Turim - regressando a Portugal para assumir a pasta da Marinha e Domínios Ultramarinos (1796-1801), e o lugar de presidente do Real Erário (1801-3) até a sua vinda para o Brasil em 1808, quando foi nomeado secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra permanecendo no posto até 1812. Considerado um homem das Luzes, destacou-se por suas medidas visando à modernização e o desenvolvimento do Reino. D. Rodrigo aproximou-se da geração de 1790, vista como antecipadora do processo de Independência e foi o principal idealizador do império projeto luso-brasileiro no qual a centralidade caberia ao Brasil. Sob o seu ministério, o Brasil adquiriu novos contornos com a anexação da Guiana Francesa (1809) e da Banda Oriental do Uruguai (1811). Preocupado com o desenvolvimento econômico e cultural, bem como com a defesa do território, Souza Coutinho foi um partidário da influência inglesa no Brasil, patrocinando a assinatura dos chamados "tratados desiguais" de que é exemplo o Tratado de Aliança e Comércio com a Inglaterra (1810). Responsável pela criação da Real Academia Militar (1810), foi ainda inspetor geral do Gabinete de História Natural e do Jardim Botânico da Ajuda; inspetor da Biblioteca Pública de Lisboa e da Junta Econômica, Administrativa e Literária da Impressão Régia; conselheiro de Estado; Grã-Cruz das Ordens de Avis e da Torre e Espada. 

    Um engenho de açúcar

    Inventário de Antônio Ribeiro de Avelar, proprietário do maior engenho de açúcar da capitania do Rio de Janeiro. As listagens incluem as terras do engenho, com grandes quantidades de cana pronta para o corte, ferramentas e instrumentos; as casas,  com mobiliário e itens; e uma quantidade grande de escravos, muitos dos quais especializados na produção de açúcar e aguardente, entre outros, como carpinteiros, ferreiros, pedreiros, e de tropa. Destaca-se a listagem dos instrumentos, ferramentas e utensílios utilizados na produção do açúcar e que faziam parte do engenho.

    Conjunto documental: Antônio Ribeiro de Avelar
    Notação: caixa 1135, pct. 9606
    Datas-limite: 1794-1794
    Título do fundo: Inventários
    Código do fundo: 3J
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de
    Data do documento: 1796
    Local: Freguesia da Nossa Senhora da Conceição do Alferes
    Folha(s): 18 a 51

    Engenho

    Um engenho[1] com vinte e três lanços que tem de frente quatrocentos e cinqüenta e dois palmos e meio, e de largura cento e quatro palmos onde se incluem as varandas.

    `...]

    Quatro lanços que ocupa no engenho de cana[2]
    e seus pertences que são os seguintes:

    Uma roda de água[3]
    Um torno de moendas[4] a trabalhar
    Um dito de reserva
    `...]

    Casa de caldeira[5] avarandada por dentro com grades de balaústres e tendal das formas
    lajeado de tijolo tem seis lanços e nela se acha a fábrica seguinte:

    Uma dorna[6] de aparar água avaliada na quantia de quatro mil e quinhentos réis....4$500
    Três paróis[7] de madeiras
    Um cocho[8] que serve de bater barro
    Uma caldeira de cobre com vinte e duas arrobas avaliada a quatrocentos réis cada libra que importa na quantia de duzentos e oitenta e um mil e seiscentos réis..............281$600
    Uma dita com vinte e duas arrobas avaliada a trezentos réis a libra que importa na quantia de duzentos e onze mil e duzentos réis...................................211$200
    Uma dita velha com vinte arrobas avaliado a duzentos réis a libra que importa na quantia de cento e vinte e oito mil réis..................................................128$000
    Dez tachos[9] de ferro com dez arrobas cada um que fazem cem arrobas avaliadas a cento e dez réis cada libra que importa na quantia de trezentos e cinqüenta e dois mil réis...................................................................................352$000
    Uma resfriadeira[10] de cobre com uma arroba e vinte libras, avaliada a quatrocentos réis a libra que importa na quantia de vinte mil e oitocentos réis.....................20$800
    `...]
    Cinco escumadeiras de cobre com vinte e nove libras avaliadas a quatrocentos réis a libra que importa na quantia de onze mil e seiscentos réis...................................11$600
    Três repartideiras[11] com vinte e três libras avaliada a quatrocentos réis a libra que importa na quantia de nove mil e duzentos réis...................................9$200
    Duas batedeiras do mesmo com oito libras avaliadas a quatrocentos réis a libra que importa na quantia de três mil e duzentos réis.........................................3$200
    `...]

    Casa de purgar[12] com quatro lanços de sobrado com o seguinte:

    Duzentos e cinqüenta formas[13] de madeira
    Quinhentos e sessenta e uma ditas mais pequenas
    Um cocho de aparar mel
    Dois ditos do mesmo
    Noventa e seis bicas de aparar mel

    A Casa do encaixe[14] tem dois lanços de sobrado com seu tendal[15] de sobrado
    na frente para enxugar o açúcar[16] e nela se acha o seguinte:

    Uma tulha[17] grande de madeira para o açúcar
    `...]
    Um caixão grande com chave
    `...]
    Vinte tabuleiros de enxugar açúcar
    Oito ditos de rodas para o mesmo
    Um braço de balança e conchas avaliado em oito mil réis...........................8$000
    Um peso de ferro de duas arrobas avaliado em três mil e duzentos réis............3$200
    Um dito de arroba avaliado em mil e seiscentos réis....................1$600
    Um dito de arroba avaliado em oitocentos réis....................................$800
    Um dito de oito libras avaliado em quatrocentos réis.............................$400
    `...]
    Quatro facões de cortar açúcar a quatrocentos réis que importa na quantia de mil e seiscentos réis......................................1$600
    Cinco cavadeiras de ferro para o açúcar avaliados a cento e vinte réis que importam na quantia de seiscentos réis.................................$600
    `...]

    Os escravos

    Carpinteiros

    Francisco José pardo de idade de trinta e quatro anos segundo banqueiro de açúcar[18] avaliado em trezentos e cinqüenta mil réis..................................350$000
    Manoel Maria cabra de cinqüenta anos de idade primeiro mestre de açúcar[19] avaliado em cento e oitenta mil réis...........................................180$000
    Francisca Conga sua mulher tecedeira de idade de vinte e quatro anos avaliada em cento e trinta mil réis.........................................130$000
    `...]
    Antônio Angola de idade de vinte anos carpinteiro e barqueiro de açúcar avaliado em cento e oitenta mil réis..................................180$000
    `...]
    Luis Carapina Benguela de idade de cinqüenta anos caldeireiro[20] de açúcar avaliado em cem mil réis........................................100$000
    `...]
    Francisco pardo primeiro mestre de açúcar doente com sessenta anos de idade avaliado em sessenta e quatro mil réis..........................64$000
    `...]
    Aniceto crioulo pedreiro e caldeireiro de açúcar de idade de quarenta anos avaliado em cento e vinte e oito mil réis.......................................128$000
    Joaquim crioulo de idade de vinte anos aprendiz de pedreiro avaliado em cento e quarenta mil réis..................................................................................................................................140$000
    Bento mina de idade de quarenta e quatro anos cavouqueiro e caldeireiro de açúcar avaliado em cento e vinte mil réis......................................120$000
    `...] 

    Aguardenteiros[21]

    Manoel crioulo de idade de trinta anos avaliado em cento e quarenta mil réis.......140$000
    `...]
    João Cabunda `sic] de idade de cinqüenta e cinco anos avaliado em sessenta e quatro mil réis....................................................64$000
    `...]
    Valentim mina barcador das formas de idade de cinqüenta anos avaliado em cento e dez mil réis...............................110$000

    `...]

    Nós abaixo assinados avaliadores da freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Alferes[22], certificamos que em virtude do mandado que nos apresentou José Rodrigues da Cruz do meritíssimo senhor doutor juiz dos órfãos fomos a fazenda do Engenho do Pau Grande[23] e nela fizemos as avaliações acima declaradas em virtude do que passamos e `ilegível] nós somente assinado. Freguesia da Nossa Senhora da Conceição do Alferes vinte e oito de maio de mil setecentos e noventa e seis. João de Souza Vieira, Antônio Borges de Carvalho, Antônio Francisco Coelho, Domingos Lopes de Carvalho.

    [1] Empregava-se o termo "engenho" durante o período colonial para designar o mecanismo usado para moer a cana, no início do processo de preparo do açúcar. Passa a referir-se ao complexo no qual se fabricava açúcar - as terras, as plantações, a casa senhorial, a senzala, as ferramentas, e a moenda - posteriormente, desde a segunda metade do século XIX, conceito cunhado por historiadores e estudiosos da agricultura e economia coloniais. Os engenhos (moendas) se dividiam em dois tipos, os movidos a água - de grande monta, e os movidos a tração animal, menores em tamanho e capacidade de produção, também chamados engenhocas ou trapiches, e mais utilizados na produção de aguardente. Os engenhos, como unidades produtivas, tiveram um papel central na colonização, ocupação e povoamento do território da colônia. Constituíam verdadeiros núcleos populacionais, em torno dos quais e de suas capelas, se formavam vilas e se construíam as defesas das fronteiras das capitanias. Os grandes engenhos tinham em torno de 60 a 100 escravos, e muito poucos ultrapassavam a marca de 150-200 cativos, dos quais, em média, 75% trabalhavam nos campos, 10% na manufatura do açúcar, e o restante dedicava-se a atividades domésticas ou não relacionadas ao trato açucareiro. Os engenhos, assim como o açúcar, tinham grande valor, mas um alto custo: as terras, o beneficiamento, os instrumentos, os escravos, as construções encareciam a produção, que apresentava em geral baixos rendimentos, descontados os gastos do senhor. A maior parte dos engenhos era muito pouco ou não lucrativa, fazia o suficiente para sua subsistência, ou lucrava mesmo com a produção da aguardente. Algumas poucas unidades geraram fortunas; a maioria rendia pouco e muitos acumularam grandes dívidas. A capitania que mais concentrava engenhos, em quantidade e grandeza, era a Bahia, e não Pernambuco, como comumente se pensa, seguida pelo Rio de Janeiro, e então por aquela. A lucratividade variava muito, de acordo com a safra de cana (influenciada pelas condições climáticas e de solo), com as epidemias que assolavam vez ou outra a população escrava e de trabalhadores pobres, com a falta de gêneros (como lenha, água, animais) e com as dívidas que se acumulavam. Apesar das dificuldades, os engenhos não eram abandonados, e a produção açucareira, embora oscilasse de acordo com as ofertas e demandas do mercado europeu e suas colônias, não perdeu sua importância no Brasil. Os engenhos representavam um microcosmo da sociedade aristocrática rural, apoiada no poder patriarcal e político do senhor, base da sociedade brasileira em construção, bem analisada por Gilberto Freire em sua obra. Mais do que representação de riqueza, o engenho tinha grande importância simbólica, um signo de poder e um sinal de distinção.
    [2] A propriedade que constituía um engenho de açúcar era composta de algumas dependências mais ou menos comuns às fazendas do período colonial: havia a casa grande, a senzala, a capela, a lavoura, e a casa de engenho, com barracões auxiliares. Esta era uma grande dependência que se dividia em corpo do engenho, casa de caldeiras, casa de purga e casa de ensacar. No corpo do engenho ficava a maquinaria da moagem e o local chamado de picadeiro, onde ficavam as canas colhidas antes de moer. A casa de caldeiras era onde o açúcar seria produzido e a casa de purgar era onde seria limpo e beneficiado. A casa de ensacar era onde o açúcar seria embalado e encaixotado para venda. A casa de engenho era um edifício grande, como um barracão, formado de pilares com telhado e chaminé e um amplo pátio. A parte reservada às caldeiras era aberta de paredes, enquanto a de purgar e ensacar eram fechadas.
    [3] A roda d'água é um instrumento utilizado para produzir energia mecânica a partir do movimento da água. Geralmente são rodas de madeira presas a um eixo que giram em cursos de água e aproveitam ora a força, ora a velocidade da água para mover um motor ou um mecanismo rudimentar. Nos engenhos brasileiros até princípios do século XIX a roda d'água servia para mover a moenda, que extraía da cana o caldo. Os engenhos movidos à água eram poucos e de grande monta; mais comuns eram os engenhos movidos à tração animal - bois ou cavalos produziam a força para mover as moendas - ou por trabalho manual, dos escravos.
    [4] A moenda é o mecanismo utilizado no engenho para moer ou espremer a cana. Nela se realiza a primeira etapa da produção do açúcar, o beneficiamento da cana. Depois de cortada e limpa, a cana era passada nas moendas para se extrair o caldo, que seria cozido para a preparação do melaço. As moendas mais comuns na maioria dos engenhos do Brasil até o início do século XIX eram as de madeira, movidas a tração animal. Houve pequena evolução no processo de moagem, mais significativa com a adoção das mós feitas de ferro (mais resistentes e eficazes) e do vapor como força motriz, embora essas inovações tenham sido muito lentamente incorporadas, quando chegaram a ser. De modo geral, até fins do século XIX, a produção dos engenhos brasileiros não mudou muito.
    [5] As caldeiras eram grandes recipientes, normalmente de ferro ou cobre, utilizados para ferver o caldo extraído da cana, até o ponto de se tornar o mel que se tornaria o açúcar. A casa das caldeiras era o local na casa de engenho onde ficavam as fornalhas, a chaminé e as caldeiras ou tachas. Era o local onde se produzia efetivamente o açúcar a partir do caldo da cana. Depois de passar pela casa de caldeira, o melaço passava para a casa de purgar.
    [6] Dorna é um recipiente de madeira, mas também pode ser encontrado em outros materiais, utilizado para armazenar bebidas, água ou aguardente. Tem o formato semelhante de um barril de pé, e até hoje é usado para guardar cachaça no processo de envelhecimento. Na produção de vinho, a dorna serve tanto para armazenar a uva e pisar pequenas quantidades, quanto para depositar o mosto para fermentação.
    [7] O parol é um grande cocho de madeira de variadas funções. O parol de engenho servia para depositar o caldo da cana que acabava de sair da moenda, antes de ser colocado para ferver nas caldeiras ou tachas. O parol de escuma era o recipiente utilizado para recolher a espuma e as impurezas retiradas ao longo do processo de cozimento do caldo da cana.
    [8] Grande tronco escavado onde se depositavam as impurezas retiradas do primeiro estágio de cozimento do açúcar. Esse caldo era utilizado para alimentação dos animais, assim como parte do bagaço da cana, ou para a fabricação de aguardente ou de açúcar de qualidade bem inferior.
    [9] Tachos ou tachas eram grandes vasilhas, normalmente de cobre ou ferro, usadas na casa de caldeiras, onde se inicia o processo de produção do açúcar. Utilizavam-se quatro tachos na produção. Depois de moído, o caldo ia para o primeiro tacho, no qual se iniciava o processo de purificação: era aquecido, sem ferver, para a retirada das impurezas, que formavam uma "espuma". Para isso os caldereiros usavam escumadeiras, ou espumadeiras. Passava-se o caldo então para a segunda tacha, onde este recebia água, era aquecido e se repetia o procedimento de limpeza. Na terceira tacha (ainda chamada de caldeira) o caldo era fervido para apurar e ganhar a consistência de um xarope. Na última tacha - de cozimento - o caldo era cozido até se tornar um "mel", e depois até ficar em ponto de "puxa-puxa", quando começava a açucarar e seria retirado e colocado nas formas.
    [10] A resfriadeira era um grande tanque, de cobre ou de barro, onde se colocava o melaço retirado do último tacho ou caldeira, para resfriar antes de ser colocado nas formas de barro para cristalizar e purgar.
    [11] Repartideiras eram pequenos tachos de cobre com um cabo usado para repartir o melado apurado do cozimento pelas formas de barro onde seria colocado.
    [12] A casa de purgar era a dependência na casa de engenho reservada ao trabalho de purificar o açúcar. Depois de colocado nas formas de barro, o açúcar era "lavado" com água, para se lhe retirarem as impurezas e para clareá-lo. Quando pronto, era retirado das formas, colocado para secar no sol, e então separado por cor (branco, mascavo, escuro) e tipo (fino, grosso) antes de ser enviado para a casa de ensacar.
    [13] As formas para colocar o melaço e transformá-lo em açúcar eram vasos de barro, normalmente fabricadas nas olarias que costumavam haver nos engenhos. Os vasos tinham o formato de "sinos", de cones, estreitos em cima e largos na base. Havia um furo em cima por onde entraria a água que era usada para lavar e purificar o açúcar. O fundo e a tampa eram cobertos com um barro mais fino e folhas de bananeira, por onde passava a água, que escorria por entre os grãos do mel açucarado e o clareava com o passar do dia. Assim que colocado na forma, aguardava-se que o melado açucarasse e endurecesse. Depois o "pão de açúcar" era perfurado no meio, e o mel que não havia endurecido, de qualidade inferior, escorria, durante alguns dias, da forma em um cocho que o aparava e era reaproveitado para alimentação dos escravos, para fabricação de açúcar de baixa qualidade ou para destilar em aguardente. Depois de escorrido o mel, passava-se ao procedimento de purgar o açúcar, ou seja, limpá-lo e clareá-lo com água, processo que variava de duração de acordo com a qualidade do mel, que dependia do tipo da cana, da precisão do cozimento e do ponto do melaço.
    [14] Local na casa de engenho onde o açúcar era embalado e encaixotado para seguir para os portos e para o comércio.
    [15] O tendal, ou estendal, era o local nos engenhos de açúcar onde se colocavam as formas de açúcar para purgar e secar.
    [16] Último processo da produção do açúcar - depois de purgado os pães de açúcar eram colocados em tendais no pátio para secar ao sol, perder a água que foi usada na limpeza e purificação. Somente então ficava prontos para serem cortados e encaixotados.
    [17] Grande recipiente utilizado para colocar o açúcar depois de retirado das formas.
    [18] Os banqueiros de açúcar eram ajudantes dos mestres de açúcar nas casas de caldeiras, Realizavam praticamente o mesmo trabalho que aqueles, mas no período noturno, já que o cozimento dos caldos era demorado e não interrompido durante a noite. Também cuidavam de repartir o açúcar nas formas e colocá-las no tendal para escorrer. Estes eram normalmente escravos, auxiliados pelos soto-banqueiros, seus ajudantes, e poderiam receber um soldo que variava entre 30 e 40 mil réis, ou parte do pagamento em açúcar de boa qualidade.
    [19] O mestre de açúcar, nos dizeres de Antonil em seu Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas era o grande responsável por toda a produção do açúcar. Era o trabalhador que dominava todas as etapas da produção, desde o corte das canas até a secagem, e lhe cabia responder pela qualidade do produto e pela supervisão de todos os trabalhadores, livres ou escravos, envolvidos no processo produtivo, como caldeireiros, banqueiros, feitores da moenda, purgadores, entre outros. Os mestres de açúcar não eram comumente escravos, mas trabalhadores livres, brancos ou mestiços. Alguns escravos destacavam-se no domínio das técnicas do açúcar e chegavam a mestres, como no caso do engenho de Ribeiro de Avelar, que tinha mais de um mestre de açúcar escravo. Na fase inicial, da moagem da cana, cuidavam de verificar os tipos e a qualidade das canas das lavouras que serviam o engenho, a quantidade a ser moída e o emprego do caldo antes que viesse a estragar. Quando chegava à casa das caldeiras, verificavam o ponto dos caldos e do melaço, se tinham sido corretamente coados, apurados e retiradas as impurezas, e eram responsáveis pela última caldeira, a que preparava o mel do açúcar, para garantir o ponto correto do caldo. Cuidavam da limpeza dos ambientes de produção, do controle da água, da manutenção de utensílios e instrumentos; e vigiavam também a divisão do açúcar pelos tipos e a repartição dos lotes. Ainda segundo Antonil, um bom mestre de açúcar de engenhos de grande porte chegava a receber até 120 mil réis de ordenado. Eram auxiliados pelo soto-mestre, que era uma espécie de substituto e subordinado direto no trabalho, e abaixo deste, dos banqueiros e soto-banqueiros de açúcar.
    [20] Os caldeireiros, ou tacheiros, eram trabalhadores, normalmente escravos, que se encarregavam de cuidar das caldeiras e tachos onde o caldo da cana seria fervido e apurado até se tornar o melaço. Normalmente os caldeireiros eram aqueles que tomavam conta das três primeiras etapas do caldo nos tachos, encarregados de mexer o caldo sem deixar ferver e retirar as impurezas  com as escumadeiras removendo-as para os cochos. O último tacho era atribuição direta do mestre de açúcar, responsável pelo cozimento e pelo "ponto" do melaço. O trabalho de um caldereiro era pesado e difícil, mas não tanto quanto o dos escravos que ficavam nas fornalhas, alimentando o fogo, que não poderia apagar, mas também não ser muito forte. Esse trabalho, considerado um dos piores num engenho, era reservados muitas vezes a escravos rebeldes ou em punição, que trabalhavam portando ferros, colares e gargalheiras, num ambiente quente e abafado.
    [21] Escravos empregados no processo de produção da aguardente.
    [22] As referências à localidade de Nossa Senhora da Conceição do Alferes (ou do Paty) remontam ao início do século XVII, quando começam a chegar os primeiros pioneiros para ocupar a região com a abertura do Caminho Novo para as minas de ouro. A região teve desde o início uma vocação agrícola, voltada para a produção de gêneros de abastecimento interno e de açúcar, para exportação. Plantava-se mandioca para a produção de farinha, cana para a produção de açúcar, milho e fubá, legumes, feijão, tabaco. Criava-se porcos para abate, e produzia-se carne seca e couros. Somente nos anos 1830 a cultura do café começa a florescer e dominar as paisagens no Vale do Paraíba, onde se tornará um dos mais importantes produtos de exportação do Brasil. A vila de Paty do Alferes foi criada em 1820 por decreto do rei d. João VI, dada a importância de suas fazendas e engenhos de açúcar, e das tradicionais famílias que ocupavam a região. A fundação efetiva somente aconteceu em 1823, o Brasil já independente, mas não teve vida longa. Em 1833, dez anos depois das solenidades de criação, a vila foi extinta, tornando-se uma freguesia da vizinha Vassouras, que cresceu e tornou-se a localidade mais expressiva na região do Vale do Paraíba fluminense, já que a vila de Paty não progrediu desde sua fundação. Esse fato não significou um "rebaixamento" para a localidade e as casas senhoriais da região, como os Werneck e os Ribeiro de Avellar, que continuaram a ser importantes nos cenários político, econômico e nobiliárquico do Império, ditando o padrão de comportamento da nobreza da terra e ocupando cargos no governo.
    [23] A fazenda Pau Grande originou-se na sesmaria concedida a Martim Correa de Sá em 1714, na região do vale do Rio Paraíba, hoje Vassouras. Na década de 1740 as terras passaram para as mãos da família Ribeiro de Avellar, posteriormente desmembradas em outras propriedades, até o século XIX. Pau Grande ficava às margens do caminho novo para as minas, o que propiciou o início da ocupação e desenvolvimento daquela região, desde fins do XVII. A fazenda, já na década de 1790, prosperava como engenho de açúcar, sua principal atividade, mas também se dedicava à agricultura de abastecimento. Produzia feijão, milho, tabaco, farinha, fubá, além da cana para a produção do açúcar e possuía criações de gado e porcos. No início do oitocentos era um dos maiores e mais prósperos engenhos de açúcar da província fluminense. Depois da morte de Antônio Ribeiro de Avellar as terras da família se desmembraram nas fazendas Pau Grande, Ubá, Guaribu, entre outras, mas permaneceram na família, tornando-se ao mesmo tempo, fonte geradora de renda e moradia, dedicando-se quase exclusivamente à produção do açúcar e de aguardente. Foi um dos primeiros engenhos movidos à água no Brasil, projetado por um engenheiro enviado pelo marquês de Pombal. O botânico Saint-Hilaire encontrou as terras de Pau Grande na primeira de suas viagens às minas e a qualificou como o "engenho de açúcar mais importante que vi`u] no Brasil": "após ter percorrido uma região onde apenas de longe em longe se descobrem alguns vestígios da mão do homem, é admirável avistar de repente um edifício imenso, rodeado de vastas usinas." Descreveu a casa grande como um prédio  de dois andares, com mais de 15 janelas frontais em vidro e ferro, e certo luxo na decoração para o padrão das fazendas da época. A partir dos anos 1830-1840 Pau Grande passou a produzir café, tornando-se umas as pioneiras e das maiores no auge da riqueza do Vale do Paraíba fluminense, perdurando até a década de 1860, ainda pertencente aos Ribeiro de Avellar.

    Máquina a vapor nos engenhos

    Carta do conde dos Arcos, governador da Bahia, para o marques de Aguiar, ministro dos negócios do reino, na qual relata a compra de um exemplar de uma máquina a vapor para o engenho de açúcar do coronel de milícias Pedro Antônio Cardoso. O conde descreve as vantagens de ter esse invento nos engenhos, que pode ampliar em muito a arrecadação de impostos, devido o aumento da produção. Também aconselha que o maquinista, Mr. Falkner, que veio ao Brasil instalar a máquina seja contratado, dessa maneira estimulando a fabricação das peças da máquina que, além de expandir os lucros da Real Fazenda, podem produzir peças de artilharia para a defesa da província.

    Conjunto documental: Bahia. Ministério do Reino. Correspondência do presidente da província  
    Notação: IJJ9 324
    Datas-limite: 1814-1816
    Título do fundo: Série Interior
    Código do fundo: AA
    Argumento de pesquisa: açúcar, engenho de  
    Data do documento: 2 de abril de 1815
    Local: Bahia
    Folha(s): 81 a 83v doc. n° 36

    Leia o documento na íntegra

    Ilustríssimo e excelentíssimo senhor,

    Sendo a máquina de vapor[1] de todas as descobertas dos homens aquela que, no meu fraco modo de entender, pode ser a mais útil ao Brasil; e tendo o coronel de milícias[2] de Itaparica Pedro Antônio Cardoso mandado vir uma de Inglaterra para aplicar ao seu engenho de açúcar[3], e com ela o hábil maquinista - Mr. Falkner - para a assentar, e mostrar o modo de a dirigir; julguei de meu dever ir assistir ao primeiro trabalho da referida máquina, e daí todos os sinais que em mim coubessem de estimação, e aplauso pela introdução de um invento cujas utilidades depassam muito a força de minha expressão.
    Fui efetivamente ao engenho do referido Pedro Antônio, e levei comigo alguns senhores de engenho[4] que vissem com seus olhos as vantagens daquela máquina, e não tenho dúvida de declarar a vossa excelência que meti as primeiras canas[5] na moenda[6], que convidei todos os senhores de engenho meus conhecidos para jantarem comigo em obséquio da introdução de tão preciosa máquina, e que enfim tenho feito quanto posso para propagar o uso daquela mais que todas útil invenção.
    Por esta ocasião assim o meu emprego, como o zelo que cordialmente tenho pelo aumento desta província obrigam-me a levar ante o augusto trono de sua alteza real[7] duas petições ambas que em minha consciência se me representam justíssimas. A primeira é implorar da infinita justiça do mesmo augusto senhor um prêmio para o introdutor; promete-lho a lei, e quando assim não fora o ato de remunerar um serviço de onde infalivelmente vai proceder uma aumentação incalculável da fortuna pública, e com esta outra semelhante da Fazenda Real[8], é um ato de tão luzente justiça que fica supérflua toda a prova que aqui se ajuntasse.
    A segunda é que sua alteza real se digne por bem destes seus fiéis vassalos, e para incalculável aumento de sua Real Fazenda afixar aqui aquele maquinista - Mr. Falkner - no emprego de diretor do Trem Militar com um conto de réis, ou mesmo três mil cruzados de ordenado com a condição expressa de poder ir assentar, e dirigir os primeiros trabalhos de qualquer máquina de vapor quando algum senhor de engenho o convide a esse fim.
    Para evidenciar a justiça desta petição seria necessário que eu pudesse aqui mencionar todas as vantagens que se seguem da propagação do uso desta máquina, o que é impossível; apontarei contudo algumas razões que de certo bastam para ver que a todo o preço convém afixar aqui este hábil maquinista. Coar, e fundir ferro, e outros metais pode dizer-se que é matéria desconhecida na Bahia[9]; e que vantagem tira a defesa desta província se no Trem se construírem fornos de revérbero, se se fundirem por bom preço bombas, se se vazarem peças de artilharia, morteiros, etc.
    O grande obstáculo que encontro à propagação do uso da máquina consiste na dificuldade dos consertos das diferentes peças que a compõem. Tem ela tubos, válvulas, lâminas de condensar, e outras peças de que nem sequer há a mais remota idéia na Bahia, e dizem a senhores de engenho "de que serve mandarmos vir a máquina se não temos quem a conserte quando alguma de suas peças se desmanche" e estando o referido Falkner empregado no Trem aí pode haver um sortimento de tais peças que a justo preço podem servir para desfazer aquele de outro modo indestrutível obstáculo.
    Não deve esquecer quanto os nossos artífices vão ganhar na parte prática de mecânica vendo o referido Falkner não só ocupando-se nos trabalhos já ditos, mas instituindo novas máquinas a que a situação do Trem se presta tendo água alta sobre a montanha que lhe fica próxima; o que tudo junto prova, a meu ver, que até mercantilmente é útil ficar por qualquer preço ao serviço de sua alteza real o sobredito Falkner.

    Deus Guarde a vossa excelência. Bahia 2 de abril de 1815.

    Ilustríssimo e excelentíssimo senhor marquês de Aguiar[10].

    Conde dos Arcos[11]

    [1] A ideia de criação de uma máquina que substituísse a força humana ou animal em trabalhos braçais existe desde a antiguidade. A máquina a vapor desenvolvida por James Watt em 1769 era na verdade um motor movido a vapor de água, que revolucionou a manufatura e a indústria nos séculos XVIII e XIX. Uma das primeiras aplicações da "máquina" foi na indústria têxtil, quando os teares deixaram de ser manuais, isto é, movidos pela força de quem os manipulava, para serem mecânicos, acionados pela energia produzida pelo motor. Na prática essa invenção proporcionou, de imediato, um aumento de produtividade, e consequentemente da produção, e diminuição do uso de mão-de-obra. Esteve na base da revolução industrial iniciada na Grã-Bretanha nos setecentos, e foi sendo paulatinamente utilizada nos outros setores da indústria e se expandindo pela Europa. Em linhas gerais, o motor funcionava utilizando o vapor de água em ebulição como "combustível". Para gerar a combustão, inicialmente, se usou lenha e depois o carvão. A partir da descoberta da eletricidade, e posteriormente do uso de outros combustíveis, como gases, óleos e o diesel, na segunda revolução industrial, a partir de fins do oitocentos e já no século XX, a tecnologia do vapor tornou-se obsoleta. Nos engenhos, teria a função de acelerar a moagem da cana, substituindo a tração animal, as rodas d'água, e mesmo a força de trabalho escrava.
    [2] As milícias referiam-se às tropas do exército que havia então.
    [3] Empregava-se o termo "engenho" durante o período colonial para designar o mecanismo usado para moer a cana, no início do processo de preparo do açúcar. Passa a referir-se ao complexo no qual se fabricava açúcar - as terras, as plantações, a casa senhorial, a senzala, as ferramentas, e a moenda - posteriormente, desde a segunda metade do século XIX, conceito cunhado por historiadores e estudiosos da agricultura e economia coloniais. Os engenhos (moendas) se dividiam em dois tipos, os movidos a água - de grande monta, e os movidos a tração animal, menores em tamanho e capacidade de produção, também chamados engenhocas ou trapiches, e mais utilizados na produção de aguardente. Os engenhos, como unidades produtivas, tiveram um papel central na colonização, ocupação e povoamento do território da colônia. Constituíam verdadeiros núcleos populacionais, em torno dos quais e de suas capelas, se formavam vilas e se construíam as defesas das fronteiras das capitanias. Os grandes engenhos tinham em torno de 60 a 100 escravos, e muito poucos ultrapassavam a marca de 150-200 cativos, dos quais, em média, 75% trabalhavam nos campos, 10% na manufatura do açúcar, e o restante dedicava-se a atividades domésticas ou não relacionadas ao trato açucareiro. Os engenhos, assim como o açúcar, tinham grande valor, mas um alto custo: as terras, o beneficiamento, os instrumentos, os escravos, as construções encareciam a produção, que apresentava em geral baixos rendimentos, descontados os gastos do senhor. A maior parte dos engenhos era muito pouco ou não lucrativa, fazia o suficiente para sua subsistência, ou lucrava mesmo com a produção da aguardente. Algumas poucas unidades geraram fortunas; a maioria rendia pouco e muitos acumularam grandes dívidas. A capitania que mais concentrava engenhos, em quantidade e grandeza, era a Bahia, e não Pernambuco, como comumente se pensa, seguida pelo Rio de Janeiro, e então por aquela. A lucratividade variava muito, de acordo com a safra de cana (influenciada pelas condições climáticas e de solo), com as epidemias que assolavam vez ou outra a população escrava e de trabalhadores pobres, com a falta de gêneros (como lenha, água, animais) e com as dívidas que se acumulavam. Apesar das dificuldades, os engenhos não eram abandonados, e a produção açucareira, embora oscilasse de acordo com as ofertas e demandas do mercado europeu e suas colônias, não perdeu sua importância no Brasil. Os engenhos representavam um microcosmo da sociedade aristocrática rural, apoiada no poder patriarcal e político do senhor, base da sociedade brasileira em construção, bem analisada por Gilberto Freire em sua obra. Mais do que representação de riqueza, o engenho tinha grande importância simbólica, um signo de poder e um sinal de distinção.
    [4] O engenho é uma unidade de produção que confere status no Brasil colonial. Ele incorpora a propriedade, a produção e a difusão de um modo de vida senhorial, e confere ao proprietário poder, prestígio, por vezes leva à nobreza da terra, e também riqueza, muito embora esses elementos simbólicos não dependam exclusivamente das posses dos senhores. Até o século XVIII ser proprietário de engenho é a maior aspiração dos colonos que ascendem e enriquecem, no dizer de um personagem da época, o jesuíta João Antônio Antonioni, pseudônimo André João Antonil, que escreveu Cultura e Opulência no Brasil, 1711, porque "traz consigo, o ser servido, obedecido, e respeitado de muitos." Os senhores de engenho variavam de prestígio e riqueza, de acordo, principalmente, com o tamanho e importância de suas propriedades. Os senhores dos maiores engenhos - chamados de reais: com maior número de escravos, trabalhadores livres, dependentes e agregados, e maior produção de açúcar e aguardente - tinham mais poder e prestígio junto ao reino. Tinham influência e poder na região de sua propriedade, embora este não fosse ilimitado, e administravam a produção bem como a casa: a família, os agregados, os escravos. Os proprietários dos engenhos menores, ou engenhocas, tinham uma esfera de ação mais restrita, mas ainda assim uma importância. Ainda que os engenhos fossem um símbolo de riqueza, na maior parte das vezes os senhores tinham prejuízo ou muito pouco lucro. Seu prestígio advinha de uma importância mais simbólica do que propriamente ligada a seus rendimentos, e frequentemente os engenhos quando passados de pais para filhos pouco rendiam, a não ser esse legado de status e muitas vezes de títulos de nobreza. O século XIX assistiu a um renascimento da importância do engenho, já que o açúcar brasileiro voltou a ter aceitação no mercado europeu depois da independência e das guerras civis no Haiti. Não durou muito, devido à baixa produtividade e do arcaísmo da empresa açucareira brasileira, e ao advento de uma nova cultura, mais barata e simples, e muito mais lucrativa: o café. No oitocentos brasileiro, melhor do que ser senhor de engenho, tal como no séc. XVIII, era ser barão do café.
    [5] Originária da Ásia, a Saccharum Officinarum é um tipo de gramínea utilizada até hoje na fabricação do açúcar e derivados, como por exemplo, o melaço e a aguardente. A cana de açúcar foi introduzida na Península Ibérica pelos árabes e no Brasil na primeira metade do século XVI, na capitania de São Vicente. Portugal já plantava cana na Ilha da Madeira  e dado o alto valor alcançado pelo açúcar nos mercados europeus, ampliou a produção em sua maior colônia, o Brasil. Logo depois da introdução no Sudeste brasileiro a cultura começou a se transferir para o Nordeste, tendo florescido nas capitanias de Pernambuco e Bahia, principalmente, onde encontrou clima e solos adequados ao plantio. Outra razão para o sucesso da lavoura canavieira nesta região era sua proximidade com a Europa, que diminuía os custos e os riscos do transporte marítimo do produto. Cultivada em grandes latifúndios, principalmente com mão de obra escrava, a cultura da cana e do açúcar foi durante muito tempo a mais lucrativa da América Luso-Brasileira, tendo, ao longo do período colonial, perdido o status de principal produto agrícola, mas não a importância para a economia, constituindo o principal modelo da plantation definida por Caio Prado Júnior. Divididas em "partidos", que equivaliam aos lotes, as terras eram cultivadas por escravos da propriedade ou por trabalhadores livres, que podiam plantar nas terras do engenho ou próprias, utilizando seus instrumentos ou de propriedade do senhor, em um sistema semelhante ao de meiagem. O cultivo da cana no Brasil era bastante rudimentar. A preparação do solo era feita a partir da derrubada da mata e queimadas. Na época das colheitas utilizava-se o fogo novamente na plantação, para diminuir as folhas e facilitar o corte. Um canavial rendia aproximadamente seis boas colheitas, já que o solo esgotava-se rapidamente com este método agressivo de plantio. Até hoje a cana de açúcar ocupa um espaço importante no setor alimentício da economia brasileira, mas atualmente destaca-se mais a produção de álcool para combustível.
    [6] A moenda é o mecanismo utilizado no engenho para moer ou espremer a cana. Nela se realiza a primeira etapa da produção do açúcar, o beneficiamento da cana. Depois de cortada e limpa, a cana era passada nas moendas para se extrair o caldo, que seria cozido para a preparação do melaço. As moendas mais comuns na maioria dos engenhos do Brasil até o início do século XIX eram as de madeira, movidas a tração animal. Houve pequena evolução no processo de moagem, mais significativa com a adoção das mós feitas de ferro (mais resistentes e eficazes) e do vapor como força motriz, embora essas inovações tenham sido muito lentamente incorporadas, quando chegaram a ser. De modo geral, até fins do século XIX, a produção dos engenhos brasileiros não mudou muito.
    [7] Segundo filho de d. Maria I e d. Pedro III, que se tornou herdeiro da Coroa com a morte de seu irmão primogênito, d. José, em 1788, d. João VI (1767-1826) assumiu a regência do reino em 1792, no impedimento de sua mãe, considerada louca. Foi sob o governo do então príncipe regente d. João, que Portugal enfrentou sérios problemas com a França de Napoleão Bonaparte, sendo invadido pelos exércitos franceses em 1807. Em decorrência da invasão francesa a Portugal, a Corte portuguesa e a família real partiram para o Brasil em novembro daquele mesmo ano, aportando em Salvador em janeiro de 1808. Dentre as medidas tomadas por d. João em relação ao Brasil estão: a abertura dos portos às nações amigas; a liberação para criação de manufaturas; a criação do Banco do Brasil; a fundação da Real Biblioteca; a criação de escolas e academias, e a implantação de uma série de outros estabelecimentos dedicados ao ensino e à pesquisa, representando um importante fomento para o cenário cultural e social da colônia. Em 1816, com a morte de d. Maria I, tornou-se d. João VI, rei de Portugal, Brasil e Algarves. Em 1821, retornou com a Corte para Portugal, deixando seu filho Pedro como regente. Ainda durante seu reinado, foi reconhecida a Independência do Brasil, no ano de 1825.
    [8] A Real Fazenda foi resultado das reformas implementadas pelo ministro Martinho de Melo e Castro durante o governo de d. José I. Criada em 1761, tinha a finalidade de centralizar toda a administração relativa aos assuntos tributários e receitas alfandegárias, e serviu, em ultima instância, para diminuir os poderes do antigo Conselho Ultramarino. O impacto na administração do Reino e das colônias foi imediato. A instituição foi responsável por modernizar os métodos de contabilidade, elaborando novas técnicas de escrituração e de balanços regulares. Nas colônias, o órgão foi responsável pela instalação das tesourarias ou Juntas da Fazenda que possuíam jurisdições separadas, responsáveis pelas despesas militares, eclesiásticas, civis e gastos extraordinários. Apesar dos aspectos técnicos da instituição da Real Fazenda, o termo "Fazenda" também se referia ao conjunto de bens do Estado, à produção geral de riqueza do reino e suas colônias, suas atividades econômicas, agrárias e comerciais.
    [9] Estabelecida em 1534, teve como primeiro capitão-donatário Francisco Pereira Coutinho, militar português pertencente à pequena nobreza que serviu nas possessões da Índia. Em 1548, foi retomada pela Coroa e transformada em capitania real. No ano seguinte, o governador-geral Tomé de Sousa fundou a cidade de Salvador, primeira capital da colônia, posição que ocupou até 1763, quando a sede administrativa foi transferida para o Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano, o rei d. José I extinguiu as capitanias de Ilhéus e de Porto Seguro e incorporou-as à Bahia. A ela também ficou subordinada, até 1820, a capitania de Sergipe d'El Rei. Sua geografia, no período colonial, estava dividida em três zonas principais: o grande porto - que compreendia a cidade de Salvador -, o Recôncavo, e o sertão, as quais possuíam atividades econômicas específicas. A cidade de Salvador exerceu as funções de porto transatlântico e de cabotagem para o comércio de fumo, algodão, couro e açúcar (principal produto de exportação), assim como para o tráfico de escravos. No Recôncavo, a agricultura comercial se destacava, concentrando um grande número de engenhos de açúcar; também ali se praticava a cultura do fumo e, mais ao sul, uma agricultura de subsistência. No sertão, a principal atividade era a pecuária, com produção de carne, de couro e de sebo, além do fornecimento de gado que servia de força motriz nos engenhos e ao abastecimento de Salvador e do Recôncavo. A vida política e social na Bahia era um reflexo da "grande lavoura" canavieira dominada pelos senhores de engenho, existindo, também, uma forte influência da religiosidade no cotidiano da população.
    [10] Terceiro filho de José Miguel João de Portugal e Castro, 3º marquês de Valença, e de Luísa de Lorena. Formado em Direito pela Universidade de Coimbra, ocupou vários postos na administração portuguesa no decorrer de sua carreira. Governador da Bahia, entre os anos de 1788 a 1801, passou a vice-rei do Estado do Brasil, cargo que exerceu até 1806. Logo em seguida, regressou a Portugal e tornou-se presidente do Conselho Ultramarino até a transferência da corte para o Rio de Janeiro. A experiência adquirida na administração colonial valeu-lhe a nomeação, em 1808, para a Secretaria de Estado dos Negócios do Brasil, pasta em que permaneceu até falecer, em 24 de janeiro de 1817. Durante esse período ainda acumulou as funções de presidente do Real Erário e de secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra. Foi agraciado com o título de conde e marquês de Aguiar e se casou com sua sobrinha Maria Francisca de Portugal e Castro, dama de d. Maria I. Dentre suas atividades intelectuais, destaca-se a tradução para o português do livro Ensaio sobre a crítica, de Alexander Pope, publicado pela Imprensa Régia, em 1810.
    [11] D. Marcos de Noronha Brito, 8º conde dos Arcos, nasceu em Lisboa em 1771 e foi o último vice-rei do Brasil. Destacou-se, ainda em Portugal, na carreira militar, e chegou a atingir a patente de tenente-general em 1818. Em 1803 veio para o Brasil no lugar de governador da capitania do Pará e Rio Negro, onde permaneceu até 1806, quando foi promovido para o cargo de vice-rei e transferiu-se para o Rio de Janeiro. Ficou sob sua responsabilidade a preparação da cidade para ser a nova sede do Império português e receber a família real e a Corte. Em 1808 com a chegada do príncipe regente findaram-se as funções de vice-rei, tendo sido nomeado no ano seguinte para governador da Bahia, cargo que assumiu somente em 1810, e nele permaneceu até 1818. Neste período ajudou a estabelecer a primeira tipografia e o jornal A Idade de Ouro na Bahia, fundou a Biblioteca Pública de Salvador, e teve importante papel no combate a rebeliões e desordens causadas por escravos. Durante a revolução de 1817, destacou-se na repressão ao movimento impedindo-o de penetrar na capitania da Bahia. No ano seguinte retornou ao Rio de Janeiro como ministro da Marinha e Domínios Ultramarinos, cargo que ocupou até o retorno da Corte para Portugal. O conde, entretanto, permaneceu ainda no Brasil até depois de declarada a independência, e só então retornou à Europa. Faleceu em 1828.

  • ABREU, Capistrano de. Capítulos de história colonial. 7o ed. Belo Horizonte; São Paulo: Itatiaia; Publifolha, 2000.

    ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas. São Paulo: Companhia Melhoramentos de São Paulo, 1923.

    FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. 4. ed. São Paulo: Unesp, 1997.

    FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. 51o ed. São Paulo: Global, 2003.

    ______. Sobrados e mocambos. 15o ed. São Paulo: Global, 2004.

    MELLO, Evaldo Cabral de. Olinda restaurada: guerra e açúcar no Nordeste, 1630-1654. 3o ed. São Paulo: Editora 34, 2007.

    NOVAIS, Fernando Antonio (org.); SOUZA, L. M. (org.). História da vida privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. v. 1.

    PRADO JR. Caio. História econômica do Brasil. 2o ed. São Paulo: Brasiliense, 1949.

    ______. Formação do Brasil contemporâneo. 5o ed. São Paulo: Brasiliense, 1957.

    REGO, José Lins do. Menino de engenho. 98o ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

    SAINT-HILAIRE, Augustin de. Viagem pelas províncias de Rio de Janeiro e Minas Gerais. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938. 2 v.

    ______. Viagens pela província do Rio de Janeiro: 1816 e 1819. Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commercio, 1937.

    SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

    SILVA, Maria Beatriz Nizza da (coord.). Dicionário da história da colonização portuguesa no Brasil. Lisboa; São Paulo: Verbo, 1994.

    VAINFAS, Ronaldo (org.). Dicionário do Brasil colonial: 1500-1808. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página